Premiê japonês pode perder apoio de bilionário

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, pode perder um de seus grandes aliados no setor econômico. O bilionário da internet Hiroshi Mikitani anunciou na quarta-feira sua decisão de deixar o time de conselheiros de Abe se o primeiro ministro não conseguir barrar os planos do Ministério da Saúde para restringir a venda de medicamentos sem receita na internet.

Agência Estado

07 de novembro de 2013 | 08h52

O ministério argumenta que remédios com efeitos colaterais perigosos ou cuja análise de risco não tenha sido feita precisam ser vendidos pessoalmente. Em janeiro, a suprema corte do Japão declarou institucional uma primeira tentativa do Ministério da Saúde de banir a venda online de todas as drogas com efeitos colaterais. O ministério não desistiu e apresentou um novo projeto.

"Desapontado? O que eu sinto é mais um desamparo surpreso", disse Mikitani na conferência em que declarou sua intenção de processar o governo se as restrições propostas fossem aceitas como lei. "Se o primeiro ministro não consegue agir e fazer a medida recuar, o que vamos fazer?"

Há meses, Mikitani, o quarto homem mais rico do Japão, com uma receita estimada em US$ 6,4 bilhões, de acordo com a revista Forbes, se manteve lado a lado com Abe, anunciando a habilidade do primeiro-ministro para instituir mudanças na economia.

Com a proposta do Ministério da Saúde agora pronta para ser votada, Mikitani está se preparando para um confronto com seu antigo aliado. O grupo Rakuten, maior varejista online do Japão, do qual o empresário é chefe executivo, começa a considerar suas opções legais.

"Nós deveríamos tornar mais fácil para os negócios se tornarem inovadores, e encorajar a inovação. Estamos indo agora na direção exatamente oposta", disse Mikitani. "Eu agora vejo que este é um lugar em que medidas descartadas pela corte suprema podem voltar como zumbis. Qual é, então, a utilidade da argumentação racional?"

Fundador e CEO da Rakuten Inc., Mikitani deu suporte ao impulso do governo para a desregulação e revitalização da economia japonesa. Em abril, ele levou alguns dos melhores empreendedores do Vale do Silício para se encontrarem com Abe e fornecerem ferramentas para a transformação do Japão. Fonte: Dow Jones Newswires.

Mais conteúdo sobre:
JapãoAbealiadofarmacêutica

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.