Premiê japonês poderá perder controle da Câmara Alta do Parlamento

Eleições são vistas como referendo sobre os dez meses de governo do partido DPJ.

BBC Brasil, BBC

11 de julho de 2010 | 12h57

O partido que governa o Japão, o DPJ, deverá perder o controle da Câmara Alta do Parlamento após as eleições deste domingo, segundo pesquisas de boca-de-urna.

As pesquisas indicam que o partido do primeiro-ministro Naoto Kan poderá conquistar apenas 47 dos assentos disputados.

A eleição é vista como um referendo sobre os dez meses de governo do partido.

Há relatos de que Kan, que se tornou premiê apenas no mês passado, não pretende renunciar.

O DPJ tem atualmente maioria nas duas casas do parlamento, e precisará de coalizões para governar.

Vulnerável

O partido tem 62 assentos que não estão em jogo, e com os estimados 47 que deverá conquistar ainda ficaria aquém da maioria de 122 lugares necessária, segundo a televisão pública japonesa NHK.

O DPJ ainda tem a maioria na Câmara Baixa, que é mais poderosa, mas sua capacidade de governar de forma eficaz ficará comprometida.

O correspondente da BBC em Tóquio, Roland Buerk, disse que o que está em jogo é se o primeiro-ministro conseguirá construir uma base política estável para enfrentar o enorme déficit público.

Segundo Buerk, Kan precisa agora procurar aliados entre os partidos menores e o resultado da eleição poderá deixá-lo vulnerável a desafios à sua liderança dentro do próprio partido.

O DPJ chegou ao poder em agosto de 2009, acabando com meio século de liderança se seu rival, o Partido Liberal Democrata.

Kan sucedeu Yukio Hatoyama, que renunciou abruptamente após apenas nove meses em meio a escândalos de corrupção e à polêmica sobre uma base americana no país.

O líder japonês enfrentava forte pressão por não conseguir cumprir a promessa de campanha de retirar da ilha de Okinawa a base americana que existe na região.

Campanha

A campanha foi dominada pela sugestão do atual premiê de que o Japão precisa discutir a possibilidade de aumento no imposto sobre as transações comerciais, uma questão que divide os eleitores, segundo o correspondente da BBC.

Kan disse que o Japão precisa evitar o colapso financeiro.

"A economia japonesa é de 20 a 30 vezes maior do que a da Grécia e seu déficit público é enorme, então nenhum país no mundo poderia resgatar o Japão", disse Kan na sexta-feira se referindo à crise deficitária grega.

O Japão vem se endividando há duas décadas, tentando tirar sua economia da estagnação.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
japãoeleiçõeskanhatoyamadpj

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.