AP
AP

Premiê japonês quer desativar todos os reatores nucleares de Fukushima

Shinzo Abe insistiu que as águas contaminadas com radiação foram contidas no complexo

AE, Agência Estado

19 de setembro de 2013 | 10h32

TÓQUIO - O primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, ordenou nesta quinta-feira, que a Tokyo Electric Power, empresa responsável pela usina nuclear de Fukushima, desative todos os seis reatores no local. Anteriormente, a empresa havia recebido a ordem de desativar apenas quatro.

No entanto, Abe insistiu que as águas contaminadas com radiação foram contidas no complexo. O premiê também disse que afastará "boatos" em relação à segurança de Fukushima.

Após a visita de três horas no local, Abe instruiu a Tokyo Electric Power, também conhecida como Tepco, a desativar os reatores número 5 e 6, que sobreviveram ao terremoto e ao tsunami de março de 2011. O desastre fez com que três outros reatores derretessem e danificou um reservatório de resfriamento de combustível em um outro.

"Eu disse [à Tepco] para garantir a desativação dos reatores número 5 e 6 para que a empresa possa se concentrar mais em lidar com o acidente", disse Abe a trabalhadores e repórteres enquanto encerrava a visita ao centro de comando de emergência da usina.

Segundo Abe, o presidente da Tepco, Naomi Hirose, afirmou que uma decisão sobre os reatores será tomada até o final do ano.  Hirose também disse a Abe que a Tepco teria reservado 1 trilhão de ienes (US$ 10,120 bilhões) para a limpeza de Fukushima ao longo dos próximos 10 anos, sem especificar a origem dos recursos, segundo um porta-voz da Tepco.

Abe também pediu a Hirose na quinta-feira que definisse um prazo para a descontaminação das 350 mil toneladas métricas de água radioativa armazenadas em tanques no local. Hirose respondeu que vai tentar remover todos os materiais radioativos, exceto o trítio da água, até março de 2015. Não houve discussões sobre o custo, de acordo com o porta-voz. /AP

Mais conteúdo sobre:
japãofukushima

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.