Premiê japonês tem sua primeira prova de fogo em eleições para o Senado

País que tem 104 milhões de eleitores vão renovar 121 assentos do parlamento

Efe,

11 de julho de 2010 | 06h39

TÓQUIO - Os japoneses escolhem hoje a composição da metade do Senado, a primeira prova nas urnas para o Partido Democrático (PD) do primeiro-ministro, Naoto Kan, que sofreria um sério revés se perdesse a maioria.

A partir das 7h (hora local, 19h do sábado em Brasília) estão abertos os colégios eleitorais espalhados pelas 47 províncias do Japão para que 104 milhões de eleitores possam depositar duas cédulas: uma para a escolha de um partido e outra para escolher o candidato de sua circunscrição.

Este domingo será dominado por um ligeiro mau tempo em quase todo o arquipélago que poderia afetar a participação até o fechamento das urnas, embora se estime que cerca de 10% dos eleitores já tenham exercido seu direito ao voto de maneira antecipada.

O primeiro-ministro votou no começo da manhã junto com sua esposa, Nobuko, em um colégio eleitoral de Musashino, nas cercanias de Tóquio.

Por enquanto não foram divulgados dados sobre a participação nestas eleições, que se realizam menos de um ano após o pleito geral ganho por maioria absoluta pelo PD.

No pleito de hoje estão em jogo 121 assentos da Câmara Alta da Dieta (Parlamento japonês) e, embora não prevaleça sobre a Câmara Baixa - vital na aprovação do orçamento ou a escolha do primeiro-ministro -, seu resultado poderia representar um castigo para a gestão do partido governamental.

Esta é a primeira prova de fogo para Naoto Kan, que chegou ao poder no dia 8 de junho em substituição a Yukio Hatoyama, que renunciou de maneira abrupta acossado por sua baixa popularidade ao não cumprir sua promessa de tirar uma base aérea de Okinawa (sul do Japão) e por escândalos de doações.

Segundo a última pesquisa divulgada pela agência local Kyodo, a coalizão do PD com o minoritário Novo Partido do Povo (NPP) poderia não conseguir as 56 cadeiras que necessita para manter seu atual controle da Câmara Alta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.