Premiê nega impacto de queda do governo checo na UE

A queda do governo checo "não terá impacto" sobre a presidência da União Europeia (UE), assegurou hoje o primeiro-ministro Mirek Topolanek perante o Parlamento Europeu em Estrasburgo. A República Checa ocupa a presidência de turno da UE. "Nós temos um caso no qual os social-democratas (oposição) estão obstruindo a República Checa. Trata-se de um problema já visto antes no curso desta presidência", declarou o chefe de governo. "Mas não se preocupem. A situação não terá impacto sobre a presidência", assegurou Topolanek, cujo governo de centro-direita caiu ontem depois da votação de uma moção de censura pelo Parlamento da República Checa.

AE, Agencia Estado

25 de março de 2009 | 09h34

O país assumiu em janeiro deste ano seu mandato de seis meses na presidência rotativa do bloco. O presidente do Parlamento Europeu, Hans-Gert Poettering, também declarou que a queda do governo checo "não deve influenciar o trabalho da presidência". Outra questão de relevância é o fato de a República Checa ainda não ter ratificado o Tratado de Lisboa, um documento elaborado com o objetivo de modernizar e expandir a atuação da UE. "Nós devemos encorajar a presidência a dar sequência ao processo de ratificação do Tratado de Lisboa (que precisa da aprovação dos 27 países do bloco)", prosseguiu Poettering.

Já o deputado alemão Martin Schulz, líder da bancada socialista no Parlamento Europeu, acusou Topolanek de fazer política interna quando deveria estar cuidando da presidência da UE. "O fato de estarmos aqui hoje prova que você é um lutador, mas que não entendeu a missão da presidência da UE. Se você vem aqui tratar de política interna da República Checa, ninguém deve ficar surpreso por estarmos discutindo a política checa." Apesar da queda de seu governo, Topolanek poderá seguir na presidência da UE porque ficará à frente de um governo tampão até depois de junho, quando expira o mandato checo. As informações são da Dow Jones.

Tudo o que sabemos sobre:
UERepública Checapremiê

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.