Premiê nepalês pede consenso entre as forças políticas

Na 1.ª aparição após a proclamação da República, Girija Prasad Koirala destacou adesão aos direitos humanos

Efe,

08 de junho de 2008 | 12h58

O primeiro-ministro interino do Nepal, Girija Prasad Koirala, pediu neste domingo, 8, consenso entre as forças políticas do país, para que haja avanços no caminho da República. Em sua primeira aparição pública após a proclamação da República, o octogenário Koirala surgiu diante de 2.500 pessoas em Katmandu, às quais falou de pé, mesmo com a chuva que caía sobre a capital nepalesa. "O consenso e a cooperação foram nossa força", destacou Koirala no comício, que os observadores interpretaram como uma tentativa de mudar a percepção de que o líder do Partido do Congresso Nepalês (NCP) é muito velho para continuar na política. A Monarquia no Nepal foi abolida em 28 de maio, mas, desde então, os maoístas - vencedores das eleições de abril - e os outros grandes partidos foram incapazes de chegar a um acordo sobre a divisão de poderes entre os futuros presidente e chefe de governo. Enquanto isso, Koirala exerce as chefias de Estado e Governo interinamente. Representantes do Partido Comunista do Nepal-Maoísta (CPN-M), do NCP e do Partido Comunista do Nepal-Marxista-Leninista Unido (CPN-UML), as três forças com maior representação no novo Parlamento nepalês, voltaram a se reunir neste domingo na busca de um consenso, sem sucesso. Durante o comício, Koirala destacou sua adesão à democracia e aos direitos humanos ao proclamar que "nunca" os comprometerá em troca do poder. Outros oradores dirigiram ataques contra os maoístas, a quem acusaram de pretender ditar os termos do acordo entre as forças políticas apesar de terem apenas maioria simples no Parlamento. A próxima sessão do Parlamento, na qual o futuro governo deveria ser escolhido, está marcada para o dia 11. O governo de Koirala e os antigos guerrilheiros maoístas assinaram um acordo de paz em novembro de 2006 pondo fim a uma década de guerra, que deixou 13 mil pessoas mortas.

Tudo o que sabemos sobre:
Nepal

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.