Premiê paquistanês ordena 'eliminação de militantes e terroristas'

Forças armadas do país realizam ofensiva contra o Talebã no noroeste do país.

BBC Brasil, BBC

07 de maio de 2009 | 16h00

O primeiro-ministro do Paquistão, Yusuf Raza Gilani, disse nesta quinta-feira ter ordenado ao Exército que "elimine militantes e terroristas" que atuam no país, em uma referência a simpatizantes e membros da milícia Talebã.

"Para restabelecer a honra e a dignidade de nossa pátria e para proteger as pessoas, as forças armadas foram convocadas a eliminar militantes e terroristas", afirmou Gilani em um pronunciamento transmitido pela TV.

O anúncio foi feito no momento em que as forças armadas paquistanesas realizam uma grande ofensiva contra o Talebã pelo controle de uma região no noroeste do país.

O premiê disse que as atividades dos militantes chegaram a um ponto em que o governo de Islamabad se viu obrigado a tomar "medidas decisivas".

Segundo fontes militares, pelo menos 10 soldados morreram nos confrontos nas últimas 24 horas.

Leia mais na BBC Brasil: Ofensiva do Paquistão em reduto do Talebã deixa dez soldados mortos

Antes do pronunciamento de Gilani, o secretário de Defesa dos Estados Unidos, Robert Gates, disse em visita ao Afeganistão que estava "muito satisfeito" com as medidas do Paquistão contra o Talebã.

Civis

Gilani também pediu apoio da comunidade internacional para lidar com o problema das pessoas que estão sendo obrigadas a fugir da zona de conflito.

Calcula-se que dezenas de milhares de civis já tenham abandonado a região do Vale do Swat e outras partes do noroeste paquistanês em decorrência dos confrontos.

No entanto, cerca de meio milhão de pessoas permanecem em Mingora, a principal cidade da região, onde não há água ou eletricidade.

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha disse que a crise humana está se intensificando no Paquistão.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
paquistãomilitantestalebã

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.