Premiê pede campanha contra corrupção no Iraque

Nouri al-Maliki diz que combate ao problema deve ser tão abrangente quanto ação militar contra insurgentes.

BBC Brasil, BBC

09 de maio de 2009 | 18h03

O primeiro-ministro do Iraque, Nouri al-Maliki, disse neste sábado que seu país precisa lançar uma campanha anticorrupção tão abrangente quanto a campanha militar contra insurgentes.

Em um discurso dirigido a representantes de uma das mais importantes tribos do Iraque, a Shammar, o premiê reconheceu que integrantes do governo estão roubando dinheiro público.

Antes das declarações de Maliki, o vice-primeiro ministro Barham Saleh já havia dito que a corrupção era o segundo maior entrave a captação de investimentos no Iraque, atrás apenas das preocupações com segurança.

Há no Iraque um crescente descontentamento público com o fracasso do governo em combater a corrupção.

Prisão

Poucas horas depois do discurso de Maliki, a polícia iraquiana anunciou a prisão de um irmão do ministro de Comércio por suspeita de corrupção.

Outros nove funcionários do ministério, incluindo um segundo irmão do ministro, estão sendo procurados pela polícia.

Os dois irmãos trabalhavam como assessores do ministro, mas desapareceram no final de abril, quando seu pedido de prisão foi anunciado.

Segundo a correspondente da BBC em Bagdá Natalia Antelava, o Ministério do Comércio é encarregado de importações de grãos e programas e alimentação no valor de milhões de dólares.

O ministro nega acusações de corrupção em sua pasta.

De acordo com a correspondente da BBC, apesar das declarações do primeiro-ministro contra a corrupção, muitos de seus críticos questionam até que ponto seu próprio gabinete não está contaminado pelo problema.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
iraquemaliki

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.