AP Photo/Alexander Zemlianichenko
AP Photo/Alexander Zemlianichenko

Premiê reconhecido da Líbia sofre tentativa de assassinato

Ele estava a caminho do aeroporto da cidade de Tobruk, no leste do país; antes do ataque, homens armados que protestavam na parte de fora da Câmara dos Representantes do governo tentaram invadir o prédio

O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2015 | 18h34

TOBRUK, LÍBIA - Homens armados tentaram assassinar o primeiro-ministro reconhecido internacionalmente da Líbia, Abdullah al-Thinni, que estava a caminho do aeroporto da cidade de Tobruk, no leste do país, disse o porta-voz de seu governo, Arish Said. Ele afirmou que o comboio do premiê foi atacado e um de seus guardas acabou levemente ferido, mas não houve mortes.

"Eles conseguiram escapar", afirmou Said. Antes do ataque, o porta-voz disse que homens armados que estavam protestando na parte de fora da Câmara dos Representantes do governo de Tobruk tentaram invadir o prédio, disparando tiros para o ar e exigindo que Al-Thinni fosse retirado do posto.

Eles estavam "ameaçando matar o primeiro-ministro e forçar a Câmara a retirá-lo", afirmou Said. Ele identificou os homens como agentes de "financistas políticos corruptos", ligados a lideranças tribais de Tobruk, sem dar detalhes. A sessão havia sido adiada até a próxima semana antes da tentativa de homicídio.

Quase quatro anos após a queda do ditador Muamar Kadafi, a Líbia vive um cenário caótico. O país se divide entre o Parlamento eleito com um governo fraco e um governo rival e o Parlamento em Trípoli, estabelecido por milícias ligadas aos islâmicos que controlam a capital, forçando o governo a se realocar em cidades do extremo leste do país, Tobruk e Bayda.

A turbulência permitiu o aumento de um braço ativo do Estado Islâmico no país, que agora controla pelo menos duas cidades na costa líbia. / ASSOCIATED PRESS

Tudo o que sabemos sobre:
Líbiaviolênciapremiê

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.