Premiê russo quer cancelar acordo do gás com a Ucrânia

O primeiro-ministro da Rússia, Dmitri Medvedev, informou nesta sexta-feira que deve cancelar um contrato de fornecimento de gás natural com a Ucrânia, assinado em 2010, e cobrar a compensação por parte do novo governo do país.

AE, Agência Estado

21 de março de 2014 | 12h42

O acordo fixa um desconto sobre o preço de venda do gás natural russo para a Ucrânia em troca do uso da base naval de Sebastopol, na Crimeia. Esse contrato vence em 2035.

Medvedev disse que, desde a assinatura do acordo, a Rússia perdeu US$ 11 bilhões, e que essa soma agora deve ser paga pelo governo da Ucrânia, uma vez que Sebastopol passou a fazer parte do território russo.

O primeiro-ministro da Rússia disse ainda que a dívida total da Ucrânia com a Rússia totaliza US$ 16 bilhões, que inclui o empréstimo de US$ 3 bilhões que o governo de Vladimir Putin concedeu aos ucranianos em dezembro e mais US$ 2 bilhões referentes a outros acordos com a Gazprom.

"Na minha opinião, nós não podemos nos dar ao luxo de perder esse dinheiro, pois o orçamento da Rússia está experimentando algumas dificuldades também", disse Medvedev. Fonte: Dow Jones Newswires.

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaUcrâniagás

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.