Lee Sang-hak/Reuters
Lee Sang-hak/Reuters

Premiê sul-coreano renuncia após críticas ao resgate em naufrágio

Acidente, que completa 11 dias neste domingo, deixou 187 mortos e 115 desaparecidos; buscas continuam

Efe,

27 de abril de 2014 | 07h52

O primeiro-ministro sul-coreano, Chung Hong-won, apresentou neste domingo, 27, sua renúncia devido às críticas pela gestão da tragédia do naufrágio do navio Sewol, que deixou mais de 300 mortos ou desaparecidos.

 

"Devo assumir as responsabilidades e renunciar", afirmou Chung em entrevista coletiva, na data em que se completam 11 dias do acidente que comoveu o país, segundo publicou a agência "Yonhap". 

 

A renúncia foi aceita pela presidente do país, Park Geun-hye. Em um breve discurso à imprensa, Chung disse que manter seu posto "seria uma carga grande demais para a administração".

 

A gestão do acidente gerou duras críticas por parte dos familiares das vítimas e da sociedade sul-coreana.

 

O balanço preliminar de mortos chega a 187, enquanto outras 115 pessoas ainda continuam desaparecidas, já que apenas 174 conseguiram se salvar.

 

As famílias das vítimas acham que o governo não fez o suficiente para resgatar possíveis sobreviventes do interior do navio e organizou de forma ineficaz os trabalhos de resgate, que ainda não terminaram de recuperar os corpos presos na embarcação.

 

O executivo também deu informação errada sobre o número de resgatados, mortos e desaparecidos durante os primeiros dias da tragédia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.