Premiê tailandês promete ficar no cargo, mas pode cair em 24h

O primeiro-ministro da Tailândia,Samak Sundaravej, prometeu na segunda-feira continuar no podere manter intacto o Parlamento. A declaração, no entanto, foi feita pouco antes de umacorte do país proferir uma sentença que pode determinar adeposição do premiê em menos de 24 horas. "Eu declaro que não dissolverei o Parlamento. Eu não vourenunciar. Eu vou continuar lutando", afirmou o premiê, 73, amilhares de simpatizantes em um comício realizado na cidade deUdon Thani (nordeste), reduto do Partido do Poder Popular(PPP), de Samak. "Este governo não fez nada de errado", disse. Apesar da postura confiante, esse pode ter sido um dosúltimos discursos dele como líder da Tailândia. A Corte Constitucional do país determinará na terça-feira,em um julgamento marcado para começar às 14h (5h em Brasília),se Samak infringiu a lei ao apresentar um programa de culináriapela TV depois de ter tomado posse como premiê. Se for considerado culpado de ter ferido o decoro do cargo,Samak terá de renunciar junto com seu gabinete de governo,satisfazendo as exigências feitas pela Aliança do Povo pelaDemocracia (PAD), cujos manifestantes ocupam há duas semanas aárea da sede do poder exigindo a deposição do premiê. Membros do primeiro escalão do governo, no poder há apenassete meses, preparam-se para o pior. "Prevemos que isso não será bom", afirmou à Reuters umintegrante do governo referindo-se ao julgamento. A velocidade com que a corte conduziu o processo sobre oprograma de culinária surpreendeu muitos analistas, apesar dehaver boatos cada vez mais frequentes sobre os juízespretenderem, com a sentença, encontrar uma solução imediatapara a crise em torno da ocupação feita pela PAD.Na semana passada, a situação tensa gerou a morte de um homem,assassinado durante um enfrentamento entre grupos anti epró-governo. A morte dele fez com que o governo declarasse umestado de emergência, medida que o Exército do país, altamentepolitizado, optou por ignorar. (Reportagem adicional de Chalathip Thirasoonthrakul)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.