Premiê turco alerta a manifestantes que 'paciência tem limite'

Erdogan pede a partidários que deem uma lição a opositores nas eleições de 2014; protestos são reprimidos

O Estado de S. Paulo,

09 Junho 2013 | 18h28

O primeiro-ministro turco, Tayyip Erdogan, reuniu ontem seus simpatizantes e fez uma série de discursos desafiadores contra os manifestantes que seguem ocupando a Praça Taksim, no centro de Istambul. Na capital, Ancara, Erdogan disse a centenas de partidários que sua paciência tem limite.

"Temos paciência e continuamos tendo paciência, mas nossa paciência tem limites", disse Erdogan, diante da multidão que se reuniu no aeroporto.

Em discurso no sul da cidade de Adana, Erdogan relativizou a importância dos protestos e pediu a seus partidários que deem uma lição aos manifestantes por meio das urnas no ano que vem, quando a Turquia realiza eleições locais e presidenciais.

"Aqueles em Taksim, que queimam e destroem, aqueles em vários locais em todo o país, eu lhes pergunto: em nome de qual a liberdade vocês estão fazendo isso?", disse Erdogan.

Dezenas de milhares de pessoas se concentraram novamente em Taksim, onde policiais com apoio de helicópteros e veículos blindados entraram em confronto com os ativistas há uma semana, e foram uma vez mais reprimidos com bombas de gás lacrimogêneo e canhões d’água.

O que começou como uma campanha contra os planos do governo para a reurbanização do Parque Gezi culminou em uma exposição inédita da revolta contra o autoritarismo de Erdogan e de seu partido AKP, de raízes islâmicas.

A polícia reprimiu os manifestantes, noite após noite em Istambul e Ancara, desde a semana passada, em confrontos que deixaram 3 mortos e cerca de 5 mil feridos. / REUTERS

Mais conteúdo sobre:
TurquiaRecep Erdogan

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.