Premiê turco critica proposta de armar rebeldes líbios

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, rechaçou a sugestão de armar os insurgentes líbios que lutam contra o coronel Muamar Kadafi e disse que enviar armas à Líbia é algo que poderá alimentar o terrorismo. Erdogan, que está em Londres para uma reunião com o primeiro-ministro da Grã-Bretanha, David Cameron, deixou claro que "nossa visão é negativa" sobre enviar armamentos aos insurgentes em Benghazi.

AE, Agência Estado

31 Março 2011 | 14h22

"Isso poderia criar também um ambiente que pode conduzir ao terrorismo e isso, em si próprio, é perigoso", afirmou Erdogan. "É a Otan (Organização do Tratado do Atlântico Norte) quem deve proteger os civis da crueldade", disse o premiê turco.

Políticos e funcionários públicos norte-americanos e britânicos têm insistido repetidamente na possibilidade de armar os insurgentes líbios, que com o apoio dos ataques aéreos dos EUA e dos países europeus conseguiram empurrar as forças de Kadafi de volta para o oeste da Líbia, mas que agora sofrem outra ofensiva do governante. Com treinamento, armamentos e organização superiores, as tropas de Kadafi voltaram à ofensiva. As informações são da Associated Press.

Mais conteúdo sobre:
Líbia ataques Turquia armas rebeldes

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.