Umit Bektas/Reuters
Umit Bektas/Reuters

Premiê turco diz que intervenção na Síria deveria derrubar regime de Assad

Para Erdogan, essa é a única forma de 'acabar com o derramamento de sangue'

O Estado de S. Paulo,

30 de agosto de 2013 | 17h33

ANCARA - O primeiro-ministro da Turquia, Tayyip Erdogan, afirmou nesta sexta-feira, 30, que qualquer intervenção militar na Síria deveria ter como objetivo o fim do regime do presidente sírio, Bashar Assad. "Não podem ser apenas 24 horas para atacar e sair."

O presidente dos EUA, Barack Obama, apesar de não ter uma decisão final sobre uma ação na Síria, ressaltou que ela seria "limitada", sem tropas americanas em solo sírio e com prazo para acabar. No início da semana, ele já havia observado que a operação não teria por objetivo derrubar o regime de Assad.

Erdogan afirmou que "o que importa é acabar com o derramamento de sangue na Síria e enfraquecer o regime (de Assad) é a forma de fazer isso". A Turquia não tem dúvidas de que o ataque com armas químicas realizado no subúrbio de Damasco na semana passada foi realizado pelas forças de Assad.

"Do nosso ponto de vista, baseados totalmente em nossa inteligência nacional e nas avaliações de nossos especialistas, não há dúvida de que o regime é responsável", disse o ministro turco das Relações Exteriores, Ahmet Davutoglu. Ele ressaltou que seu país está pronto para participar de qualquer ação internacional contra Assad, mesmo sem o patrocínio da Organização das Nações Unidas (ONU), e colocou as Forças Armadas em alerta contra ameaças da Síria.

A Turquia, que há muito tempo é uma das principais críticas de Assad, tem apoiado os rebeldes que lutam contra ele. O país gastou US$ 2 bilhões para abrigar refugiados sírios, segundo Erdogan./ REUTERS

 
Tudo o que sabemos sobre:
SíriaTayyip ErdoganTurquia

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.