Premiê turco quer 3 mil observadores da ONU na Síria

O primeiro-ministro da Turquia, Recep Tayyip Erdogan, pediu nesta terça-feira que a ONU aumente para 3 mil o número de observadores que atuam na vizinha Síria para verificar o cumprimento do acordo de cessar-fogo em vigor desde meados de abril, segundo o jornal The Wall Street Journal.

AE, Agência Estado

08 Maio 2012 | 12h01

A ONU conta hoje com 50 observadores na Síria, que desde março do ano passado enfrenta uma onda de violência gerada por um levante popular contra o regime do presidente Bashar Assad e a brutal repressão que se seguiu ao movimento.

"Perdi a esperança de que possamos encontrar uma solução (para a questão síria)", disse Erdogan. "O que podem fazer 50 observadores? Precisamos de talvez 3 mil observadores, numa missão mais ampla."

Falando durante coletiva em Roma com o primeiro-ministro italiano, Mario Monti, Erdogan estimou que cerca de 23 mil sírios se refugiram na Turquia desde o início do conflito sírio.

O Observatório Sírio para Direitos Humanos, com sede em Londres, disse hoje que a violência na Síria já fez quase 12 mil mortos, incluindo mais de 8,5 mil civis. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
Síria Turquia ONU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.