Premier checo compara Arafat a Hitler

O primeiro-ministro da República Checa, Milos Zeman, em visita a Israel, comparou o líder palestino Yasser Arafat a Adolf Hitler - rotulando ambos de "terroristas" - e sugeriu que os palestinos deveriam ser expulsos da Cisjordânia e Faixa de Gaza caso não aceitem propostas de paz israelenses. Os palestinos consideraram as declarações ultrajantes.Durante visita oficial de dois dias a Israel, o premier disse que não se deveria exigir que Israel negocie com Arafat, assim como os líderes mundiais não deveriam ter negociado com os nazistas antes da Segunda Guerra Mundial. Quando perguntado se estava comparando Arafat a Hitler, Zeman disse: "Naturalmente"."Qualquer um que apóia terrorismo, qualquer um que vê terrorismo como um meio legítimo, qualquer um que usa terrorismo que provoca a morte de inocentes é aos meus olhos um terrorista", afirmou Zeman ao diário Haaretz, em declarações publicadas hoje.Zeman também traçou uma comparação entre alemães étnicos que viviam na Checoslováquia antes da Segunda Guerra Mundial - a quem ele chamou de quinta coluna de Hitler - e os palestinos. Assim como os alemães deveriam ter sido expulsos da Checoslováquia quando Hitler não aceitou propostas de líderes mundiais visando a evitar a guerra, os palestinos deveriam ser expulsos por não aceitarem os termos israelenses, disse o líder checo."Deveríamos ter dito a eles (aos alemães na Checoslováquia) ´É pegar ou largar´. Em outras palavras, ´Aceitem a proposta ou serão expulsos´", afirmou Zeman. E o que deveria ser feito com os palestinos, perguntaram a ele. "A mesma coisa: É pegar ou largar", afirmou.Respondendo a Zeman, o ministro da Informação palestino, Yasser Abed Rabbo, disse: "Lembramos ao primeiro-ministro checo que a terra palestina continua sob brutal ocupação israelense e o povo palestino continua sendo aterrorizado pelo Exército de ocupação israelense".

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.