Premier do Iraque manda prender comandante militar

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri Maliki determinou a prisão do comandante do Exército responsável pela segurança no distrito de Sadriya, em Bagdá, o pior de uma série de ataques na terça-feira que mataram quase 200 pessoas na capital do país.Só o ataque em Sadryia, a explosão de um carro-bomba em um mercado, deixou cerca de 140 mortos. Segundo um comunicado do premier, a repetição de uma tragédia no local, que foi alvo de outro grande atentado em fevereiro, "revelou fraquezas nas medidas de segurança tomadas para proteger civis nesta área".O oficial preso será "remetido a um comitê de investigação", segundo Maliki.O premiê condenou os ataques a bomba em Bagdá que mataram quase 200 pessoas, classificando seus autores de "soldados de Satã".´Ataque monstruoso´"Este ataque monstruoso (...) não distinguiu entre velhos e jovens, entre homens e mulheres?, disse Maliki. ?Ele teve como alvo a população de uma maneira que nos lembra dos massacres e genocídio da antiga ditadura.?A violência continuou nesta quinta-feira, quando pelo menos dez pessoas morreram depois que um carro-bomba se chocou contra um caminhão de combustível no distrito xiita de Karrada, em Bagdá.Mas a terça-feira foi o dia o mais violento na capital iraquiana desde que os Estados Unidos adotaram um novo plano de segurança na cidade, há mais de dois meses.O secretário da Defesa americano, Robert Gates, culpou a rede Al-Qaeda pelos ataques e prometeu que o governo irá perseverar com seu programa de segurança.Uma hora antes do ataque de Sadryia, um carro-bomba foi utilizado em um ataque suicida contra um posto de controle da polícia no distrito de Cidade Sadr e deixou pelo menos 35 mortos.Um outro carro-bomba explodiu e matou pelo menos 11 pessoas perto de um hospital no distrito de Karrada. Na região de Al-Shurja, a explosão de uma bomba em um microônibus deixou pelo menos dois mortos.Outros dois ataques em Bagdá deixaram diversos mortos e feridos.Ataques com suicidas e carros-bomba têm ocorrido quase que diariamente nos últimos meses em Bagdá, apesar da grande operação iniciada em fevereiro.Área xiitaOs atentados desta terça-feira ocorreram em meio ao anúncio do primeiro-ministro do Iraque de que as forças iraquianas assumirão o controle da segurança no país até o fim do ano.A bomba no mercado de Sariya teria sido deixada em um carro estacionado e explodiu por volta das 16h (horário local, 8h, horário de Brasília) no meio de uma multidão de clientes e trabalhadores.O mercado estava sendo reconstruído depois de ter sido atingido por uma explosão em fevereiro, na qual mais de 130 pessoas morreram.A explosão desta quarta-feira iniciou um incêndio que atingiu carros e microônibus estacionados nas proximidades, queimando muitas pessoas e gerando uma coluna de fumaça que se elevava sobre Bagdá.Uma testemunha disse à agência de notícias Reuters que muitas das vítimas eram crianças e mulheres.Os ataques ocorrem enquanto autoridades de mais de 60 países participam de uma conferência da ONU em Genebra a respeito dos refugiados iraquianos.A ONU estima que mais de 50 mil pessoas fugiram da violência no Iraque a cada mês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.