Premier do Lesoto escapa de tentativa de assassinato

O primeiro-ministro do Lesoto, Pakalitha Mosisili, sobreviveu hoje a uma tentativa de assassinato. O anúncio do atentado foi feito pelo presidente da África do Sul, Kgalema Motlanthe. A tentativa de assassinato ocorreu na residência do primeiro-ministro em Maseru, e foi contida pela polícia local, que matou três supostos assassinos, segundo Motlanthe e a mídia sul-africana.

AE-AP, Agencia Estado

22 de abril de 2009 | 17h54

Outros participantes do atentado conseguiram escapar, mas um suspeito sul-africano e outro moçambicano acabaram presos e diversas armas foram apreendidas, informou a agência de notícias South African Press Association. Mosisili, de 64 anos, sobreviveu ao atentado, mas há poucos detalhes disponíveis. Ele chefia o governo há 12 anos, reeleito pela última vez em 2007.

A situação política no país é tensa desde os tempos de colônia britânica. O país tem 2 milhões de habitantes, um dos mais altos índices de aids/HIV do mundo e só faz fronteira com a África do Sul. Motlanthe, que também preside a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral, disse que o bloco de 15 países "condena inequivocamente a tentativa de assassinato contra o primeiro-ministro democraticamente eleito do Lesoto".

Tudo o que sabemos sobre:
África do SulLesotoatentado

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.