Premier fijiano promete resistir a ameaças do Exército

O primeiro-ministro de Fiji, Laisenia Qarase, garantiu que não vai renunciar apesar das contínuas ameaças do Exército, depois de um grupo de militares tentar invadir a sua residência, nesta segunda-feira.Segundo a emissora australiana ABC, o dirigente fijiano falou após a chegada de soldados à casa de Qarase na capital, Suva. OS seguranças impediram a entrada dos militares. "Tentaram entrar. Acho inevitável que acabem entrando", disse Qarase à emissora. "Estamos desarmados. Não podemos ceder às demandas e reivindicações do chefe das Forças Armadas, Frank Bainimarama, e não estou preparado para renunciar, voluntariamente ou à força. Estou me sentindo ameaçado, mas sem medo", acrescentou.Apesar dos temores de Qarase, os militares abandonaram o local pouco depois. Mas tomaram as chaves do carro do primeiro-ministro. Nesta segunda-feira, Bainimarama exigiu a renúncia de Qarase e de todos os membros do governo envolvidos no golpe de Estado de 2000, além da destituição do diretor da Polícia, Andrew Hughes.O governo deve se reunir nesta terça-feira para discutir as exigências de Bainimarama, que mantém patrulhas nos principais edifícios oficiais da capital e nas estradas de Suva.A crise tem sua origem na rivalidade entre os fijianos das comunidades de origem melanésia e polinésia, que representam 51% da população de 900 mil habitantes, e os de ascendência indiana, que são 44%. O conflito já levou a um golpe de estado, em 2000.Qarase está no seu segundo mandato de cinco anos. Ele venceu as eleições em maio.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.