Premier iraquiano anuncia libertação de 2.500 prisioneiros

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri Al Maliki, assegurou nesta terça-feira que 2.500 prisioneiros serão libertados das cadeias do país, alegando que não existem provas claras que os incrimine em atividades terroristas. Al Maliki informou que a primeira leva de prisioneiros, cerca de 500 pessoas, será liberada na quarta-feira. Os detentos foram escolhidos por um comitê que revisou seus casos.O premier acrescentou que foram excluídos do processo partidários de Saddam Hussein e seu partido, o Baath, e "terroristas cujas mãos estão sujas com o sangue do povo iraquiano.""A libertação destas pessoas representa um grande passo na reconciliação nacional e faz parte de uma agenda estabelecida pelo governo", disse Maliki durante uma coletiva de imprensa realizada em Bagdá.O premier pediu que os iraquianos apóiem a "tentativa de reconciliação" e manifestou esperança de que os prisioneiros libertados não farão oposição à política do governo, já que recuperaram sua liberdade. O ministro iraquiano revelou ainda que seu governo, formado há três semanas, finalizou um "plano de segurança", que tem por objetivo devolver a estabilidade ao país e acabar com a violência. Ele não revelou maiores detalhes sobre o plano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.