Premier iraquiano ordena investigação independente sobre Haditha

O primeiro-ministro iraquiano, Nouri al-Maliki, ordenou a abertura de uma investigação independente para averiguar as acusações de que fuzileiros navais americanos teriam matado civis desarmados na cidade iraquiana de Haditha. Segundo denúncias, um grupo de marines matou 24 civis - entre eles mulheres e crianças - em Haditha em 19 de novembro do ano passado, depois da morte de um de seus companheiros em uma emboscada contra uma unidade militar.O Gabinete de ministros do Iraque decidiu abrir um inquérito para investigar as mortes. Segundo o conselheiro do premier, Adnan al-Kazimi, as investigações serão realizadas por um comitê especial. "Este é um fenômeno que se tornou comum entre as forças multinacionais. Nenhum respeito pelos cidadãos, atropelamentos e assassinatos cometidos por meras suspeitas ou palpites. É inaceitável", acrescentou al-Maliki.Durante uma coletiva de imprensa, o premier também afirmou que seu governo irá conversar com o Exército americano sobre as queixas de maus tratos contra civis e sobre a formulação de regras para detenções. "Não podemos perdoar as violações da dignidade do povo iraquiano", acrescentou o primeiro-ministro. O Exército americano está conduzindo pelo menos duas investigações sobre as mortes em Haditha. Nesta quinta-feira, o presidente George W. Bush prometeu revelar todos os resultados dessas investigações. "Se houve condutas inapropriadas, as pessoas serão punidas por isso", afirmou o presidente durante uma coletiva de imprensa na Casa Branca. Novos ministros Ainda nesta quinta-feira, o premier iraquiano afirmou que irá apresentar ao Parlamento sua escolha para os cargos cruciais de segurança. Segundo Al-Maliki, as diferenças entre partidos políticos tornaram um acordo impossível. O impasse entre os partidos atrasou a indicação para os ministérios da Defesa e do Interior. O primeiro deverá ser ocupado por um sunita enquanto o segundo ficará nas mãos de um xiita.Al-Maliki afirmou que os nomes dos ministros serão anunciados na próxima sessão do Parlamento no domingo, encerrando duas semanas de negociação. Os candidatos devem ser aprovados por uma maioria de 275 membros do Parlamento.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.