Premier japonês faz visita oficial à China e à Coréia do Sul

O novo primeiro-ministro do Japão, Shinzo Abe, inaugurou neste domingo sua estratégia política externa com uma viagem pela China e a Coréia do Sul, em uma tentativa de diminuir a profunda brecha que separa Tóquio destes países.O principal objetivo de Abe é reduzir a desconfiança existente emPequim e Seul após o nacionalismo de seu antecessor na chefia doGoverno japonês, o ex-primeiro-ministro Junichiro Koizumi.Apesar de o conservadorismo de Abe superar o de Koizumi em algunsaspectos, incluindo a visão de um Japão com uma maior influência nomundo, o novo primeiro-ministro tem mostrado uma maior "diplomacia"e vontade de aproximação com outros países.Uma das prioridades de sua política externa, que expôs em seudiscurso de posse, é precisamente abrir um "franco diálogo" com aChina e a Coréia do Sul.Estes países desmontaram todas as possibilidades de uma reuniãocom Koizumi depois que o ex-premier repetiu por várias vezes suasvisitas ao santuário xintoísta de Yasukuni, que veneraex-combatentes japoneses, incluindo 14 criminosos de guerra.Embora Pequim tenha manifestado que os dois países concordaram em"superar esse obstáculo político", Abe, apesar de estender a mãopara deixar para trás as controvérsias pela dramática históriacomum, foi evasivo e em nenhum momento disse que não visitariaYasukuni como primeiro-ministro.Abe é o primeiro chefe de Governo japonês após a Segunda GuerraMundial a escolher a China como primeira visita ao Exterior,deixando de lado por enquanto a usual viagem aos Estados Unidos,principal aliado do Japão no mundo.Além disso, esta será a primeira visita à China de um primeiro-ministro do Japão para realizar uma reunião no mais alto nível desde a passagem de Koizumi pelo país, em 2001. Também será a primeira cúpula entre os dois países em 18 meses e coincide com a inauguração da reunião do Comitê Central do Partido Comunista Chinês.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.