Premier palestino diz que analisará proposta de referendo

O primeiro-ministro da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Ismail Haniye, afirmou nesta sexta-feira que seu governo irá examinar os aspectos "legais e constitucionais" da realização de um referendo sobre um plano que apóia a criação de um Estado palestino dentro das fronteiras de 1967. O documento delimita a Palestina dentro da Cisjordânia, Faixa de Gaza e Jerusalém oriental, um desenho que implica na aceitação da existência de Israel. O Hamas, grupo ao qual o premier da ANP pertence, não aceita a existência de Israel.A declaração sugere que Haniye não é partidário da idéia, levantada ontem pelo presidente da ANP Mahmud Abbas. Segundo ele, o plano, negociado por militantes graduados do Hamas e da Fatah detidos em prisões israelenses, "não poderia substituir o programa político apresentado pelo governo e aprovado pelo Conselho Legislativo".Haniye argumentou, inclusive, não ver necessidade para um referendo. "Estamos nos movendo de acordo com nossa visão e programa político, e com a decisão do povo", disse. "E o povo já se expressou nas eleições."O premier acrescentou que irá discutir a idéia do referendo com Abbas nos próximos dias.Já para o porta-voz do Hamas, Sami Abu Zuhri, Abbas não tem autoridade para convocar um referendo. Para vários representantes da Fatah, no entanto, é possível fazer isso através de um decreto presidencial.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.