Premier palestino diz que muro na Cisjordânia é "racista"

Um muro separando Israel da Cisjordânia é ?racista?, um símbolo da falta de coexistência pacífica entre Israel e os palestinos, disse o primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mahmoud Abbas, um dia depois de o presidente dos EUA, George W. Bush, desistir de continuar criticando a barreira de segurança. Abbas disse ao rei Abdullah II da Jordânia que o muro ?tem pouca valia do ponto de vista da segurança e os palestinos o rejeitam porque está sendo construído nas nossas terras?, disse a agência estatal jordaniana Petra. ?O muro é racista?, disse Abbas, e ?um símbolo da falta de coexistência pacífica? entre israelenses e palestinos. A Petra disse que Abbas informou o rei Abdullah II sobre sua visita à Casa Branca na semana passada, quatro dias antes de o presidente americano receber o primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon. Após o encontro com Abbas, Bush havia dito que o muro era ?um problema?. No entanto, em uma entrevista na Casa Branca na terça-feira ao lado de Sharon, Bush não presssionou o premier israelense a parar a construção do muro nem a libertar milhares de prisioneiros palestinos - outra exigência-chave dos palestinos. Em meio a críticas palestinas e elogios israelenses ao resultado do encontro de ontem entre Bush e Sharon, as duas partes confirmaram a reunião marcada para hoje entre o chefe de segurança palestino, Mohammed Dahlan, e o ministro de Defesa israelense, Shaul Mofaz.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.