Premier palestino pede voto de confiança ao parlamento

O primeiro-ministro palestino Mahmoud Abbas pediu hoje ao Parlamento Palestino um voto de confiança para manter-se no cargo. Abbas vai amanhã ao parlamento para prestar contas de seus primeiros 100 dias como premier. Ele havia dito que deixaria aos legisladores a decisão sobre dar-lhe ou não o voto. A mudança de atitude ocorre após mediadores não terem conseguido resolver uma briga entre Abbas e Yasser Arafat pelo controle das forças de segurança. Abbas, cuja popularidade é cada vez menor, pode ser expulso do cargo pelo parlamento, o que poderia pôr ainda mais em risco o atribulado plano de paz. Na prestação de contas desta quinta-feira, Abbas terá que confrontar-se com uma dura realidade: falhou em seus dois principais objetivos. Não convenceu os grupos extremistas a parar com os ataques terroristas a Israel e nem melhorou a qualidade de vida dos palestinos, mediante progressos do plano de paz. Vários membros do parlamento palestino, ainda que sejam críticos de Abbas, não desejam que ele abandone a função. Preferem que ele resolva suas diferenças com Arafat. Mesmo assim, Abbas quer o voto de confiança do parlamento para fortalecer sua posição frente a Arafat. Apoiado por Estados Unidos e Israel, Abbas quer que Arafat renuncie ao controle de quatro unidades de segurança. Ele, Abbas, tem controle sobre as outras quatro. Arafat resiste à idéia, já que assim perderia sua principal fonte de poder. Israel e Estados Unidos querem que Abbas tome medidas duras contra grupos extremistas como o Hamas, tal como é previsto no plano de paz. Israel decidiu no início desta semana a congelar seus esforços pela paz até que Abbas tome as ditas medidas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.