Premier tailandês diz que vai usar feitiçaria contra manifestantes

O primeiro-ministro da Tailândia, Thaksin Shinawatra, assegurou a jornalistas que usará amuletos, feitiços e talismãs para enfraquecer os manifestantes que, pelo terceiro dia consecutivo, saíram às ruas para exigir a sua renúncia. Em visita à província de Surin, no nordeste, seu principal reduto eleitoral, Shinawatra disse também que considera a possibilidade de abandonar a política temporariamente, embora não tenha esclarecido se antes ou depois das eleições do próximo dia 2. Shinawatra, que acusou seus adversários políticos de utilizarem "magia negra" para tirá-lo do poder, foi recebido por seus simpatizantes em Surin com um elefante, animal que muitos camponeses tailandeses acreditam ter poderes mágicos. "Vou utilizar a força do elefante, feitiços e talismãs para controlar os ferozes oponentes que tentam me tirar do poder", disse Shinawatra, ex-oficial da polícia que ficou milionário como empresário. Ele dissolveu o Parlamento no final de fevereiro e convocou eleições antecipadas, em uma tentativa de superar a crise política. Mas, a oposição boicotou o pleito e segue com protestos como o de hoje, que reuniu cerca de mil pessoas em frente à sede do governo em Bangcoc. A maior manifestação ocorreu na terça-feira, quando cerca de 100 mil pessoas protestaram contra o premier. O movimento foi convocado pela Aliança do Povo para a Democracia, que acusa Shinawatra de corrupção, abuso de poder e nepotismo.

Agencia Estado,

15 Março 2006 | 05h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.