Premiês da Índia e do Paquistão falam em cooperação

Os primeiros-ministros do Paquistão e da Índia, Nawaz Sharif e Narendra Modi, respectivamente, se reuniram nesta terça-feira e discutiram cooperação e formas de melhorar a relação entre os dois países, marcada pela disputa sobre o território da Caxemira. A região está dividida e é pleiteada pelos dois Estados. O encontro aconteceu um dia depois de Modi assumir o cargo.

AE, Agência Estado

27 Maio 2014 | 17h57

O premiê indiano se encontrou com Sharif e com líderes do Afeganistão, Sri Lanka, Nepal, Ilhas Maurício, Bangladesh e Ilhas Maldivas. No entanto, todos os olhos se voltaram para o encontro entre os primeiros-ministros indiano e paquistanês, à procura de sinais de melhora na relação entre os vizinhos, que possuem arsenais nucleares.

Modi pediu a Sharif que cumpra o compromisso de evitar que o Paquistão seja usado para ações terroristas contra a Índia e apresse as investigações sobre o ataque a Mumbai em 2008, quando 166 pessoas foram mortas. O grupo paquistanês Lashkar-e-Taiba é acusado de ser responsável pelo ataque.

Ontem, o presidente afegão, Hamid Karzai, disse a um canal de televisão indiano que o grupo também estava por trás do atentado ao consulado indiano no leste do Afeganistão, na sexta-feira. Hoje, um homem que se declarava porta-voz do Lashkar-e-Taiba negou que o grupo tenha sido autor do ataque ao consulado.

A secretária de Relações Exteriores da Índia, Sujatha Singh, disse a repórteres que Modi conseguiu destacar as preocupações do país em relação ao terrorismo. Ela afirmou ainda que o encontro é uma oportunidade histórica para as duas nações.

Por sua vez, o primeiro-ministro paquistanês declarou para a imprensa ter enfatizado a necessidade de transformar a relação de confronto em cooperação. "Meu governo, portanto, está pronto para discutir todas as questões entre os nossos dois países, com espírito de cooperação e sinceridade", afirmou Sharif. Fonte: Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.