Prêmio dá sinal de apoio em meio à turbulência

Ao receberem a notícia de que a União Europeia (UE) havia sido escolhida para o Prêmio Nobel da Paz, muitos parisienses se perguntaram: por que e, sobretudo, por que agora? Acadêmicos, filósofos e líderes políticos se alternaram em emissoras de TV e jornais explicando: com o Nobel, a academia envia uma mensagem de apoio à integração em meio à turbulência.

PARIS, O Estado de S.Paulo

13 de outubro de 2012 | 03h01

O estímulo pretende enfrentar a sucessão de crises que se abateu sobre a UE. Desde 2005, com o fracasso da Constituição Europeia, a integração vive uma fase de desgraça aos olhos da opinião pública. Todos os pilares da unificação vêm sendo contestados, da moeda única, o euro, à área de livre circulação de pessoas, Schengen. Há ainda os desequilíbrios macroeconômicos.

Até os anos 1990, a integração dos países da Europa era muito associada à conquista da paz e do desenvolvimento econômico no continente. Seu embrião, a Comunidade Europeia do Carvão e do Aço, de 1951, teve como objetivo garantir o acesso pacífico às matérias-primas essenciais para a indústria siderúrgica, de forma a reduzir a tensão política que pesava sobre a indústria bélica do continente. A reunião se traduziu em 60 anos sem guerras na Europa Ocidental.

No imaginário popular, essas conquistas perderam espaço para as queixas, como a de que o euro aumentou o custo de vida, ou de que estrangeiros tomaram o mercado de trabalho de países mais desenvolvidos. As insatisfações vêm sendo canalizadas por partidos de extrema esquerda e direita, que apontam Bruxelas e sua burocracia como responsável pela crise.

Para Jean-Dominique Giuliani, presidente do Conselho de Administração da Fundação Robert Schuman, o Nobel é antes de mais nada o reconhecimento de um mérito. "A UE trouxe de estabilidade política à Europa", disse ao Estado. "É uma mensagem muito clara de que não devemos voltar atrás em seus sucessos." / A.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.