Presa que ameaçou matar o filho está em coma

Talvez nunca se descubra por que a norte-americana Karen Lynn Lovell, de 28 anos, não esperou mais um mês para ser libertada, depois de cumprir pena de um ano por fazer ameaças a um vizinho. Neste sábado ela continuava hospitalizada, em coma e em estado crítico, um dia depois de ter sido baleada na cabeça pela polícia. Na madrugada de sexta-feira, Karen fugiu da prisão, no Tennessee, levando carro e arma da polícia, e seqüestrou o próprio filho, Kadan, de 3 anos, que estava sob guarda de uma tia.Um policial atirou na mãe seqüestradora quando ela apontou a arma para a cabeça da criança, que ela segurava no colo. ?Ela apertava os dentes, de olhos fechados, e dizia: ?Vou matá-lo?. Parecia que estava pronta para ouvir o disparo?, disse o xerife de De Kalb, Lloyd Emmons. Segundo ele, foi nesse momento que o capitão da polícia Mark Williams, que acompanhava o impasse a cerca de três metros de distância, disparou contra a detenta.O tiro atingiu Karen perto de um dos olhos. Ela caiu e o capitão correu para resgatar Kadan, ileso porém manchado pelo sangue da mãe. Karen foi removida de helicóptero para um hospital em Chattanooga e permaneca em coma. Os funcionários se recusaram a dar informações sobre a saúde dela, mas o estado é considerado ?crítico? e ?de risco?.Investigadores exibiram cartas e anotações em que a detenta afirmava que, se tivesse oportunidade de sair ou fugir da cadeia, mataria o filho e se suicidaria.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.