Presença da ONU no Haiti vai durar anos, diz sub-secretário

O subsecretário-geral da ONU para Operações de Paz, Jean-Marie Guéhenno, quer que o Brasil continue no Haiti além do mandato atual da missão de paz (Minustah), que vai até 15 de fevereiro. "O Brasil está dando uma enorme contribuição para a missão e espero que continue fazendo parte", disse Guéhenno.Ele dá como certa a renovação do mandato da Minustah, não somente para este ano mas para um período mais longo, até que o país tenha uma polícia treinada e desfrutando da confiança da população. "O esforço internacional para apoiar o Haiti deve demorar vários anos, mas é possível uma redução das tropas se conseguirmos construir um setor de segurança no país. Mas isso não significa que o Haiti vai poder abrir mão da ajuda internacional", afirmou.O chefe das operações de paz da ONU diz que, apesar da violência que ainda domina lugares como a favela Cité Soleil, na capital Porto Príncipe, houve uma melhora em outros lugares, como Bel-Air, que há um ano estava na mesma situação de Cité Soleil. Tão importante quanto garantir a segurança, argumenta Guéhenno, é viabilizar a economia do país, para que as pessoas tenham opções de emprego e não sejam tão tentadas a participar das gangues, de motivação política ou simplesmente criminosas, que controlam partes do país.Guéhenno disse que a morte do general Urano Bacellar foi um choque para os militares e outros membros da missão da ONU, mas que a situação já foi superada e que o novo comandante, general José Elito Carvalho Siqueira, viaja para o país neste fim de semana para assumir o posto na segunda-feira.Eleição - Depois de vários adiamentos, o primeiro turno da eleição presidencial está marcado para o dia 7 de fevereiro, mas Guéhenno diz que é importante que a comunidade internacional entenda que a escolha do novo presidente é importante, "mas não é o fim do caminho no processo de reabilitação do país"."No passado houve uma atitude de cut and run (fazer alguma e sair correndo), pensando que seria possível transformar rapidamente o país", critica. Ele diz que um país que passou por toda a turbulência política e violência que o Haiti passou "requer um esforço sustentado"."É preciso construir uma polícia confiável, um Judiciário confiável, para que se tenha uma fundação sólida para a lei e a ordem no Haiti. Ainda não estamos lá. Estamos longe disso", avalia.Além de garantir a segurança dos eleitores, a maior dificuldade para a realização das eleições, diz ele, é mudar o comportamento das pessoas, para que vencedores e perdedores aceitem o resultado e se respeitem."O que está em jogo é a reconciliação política. Um país como o Haiti é polarizado socialmente, com uma imensa pobreza, e polarizado politicamente. Se não mudar a cultura política para que se torne mais inclusiva, somente o esforço de segurança não será suficiente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.