Presença de palestina em evento sobre atentados irrita políticos dos EUA

Parlamentares conservadores norte-americanos exigem que uma faculdade cancele a participação de uma líder palestina numa conferência para marcar o primeiro aniversário dos atentados de 11 de setembro contra dos Estados Unidos, mas a direção da instituição de ensino recusou-se a fazê-lo. A faculdade do Colorado convidou a parlamentar palestina Hanan Ashrawi para um debate com o conselheiro político israelense Gideon Doron numa conferência de três dias para marcar a data. O debate está previsto para 12 de setembro. Três parlamentares republicanos - o senador John Andrews e as deputadas Lola Spradley e Debbie Stafford - alegam que permitir a participação de Ashrawi envia uma "mensagem ruim sobre terrorismo". "Honrá-la como debatedora é um tapa na cara não apenas dos judeus e amigos de Israel, mas a todos os norte-americanos contrários ao terrorismo islâmico", escreveram eles numa carta ao reitor da faculdade, Richard Celeste. Funcionários da faculdade disseram que manterão os planos e realizarão o debate. "Se não honrarmos nossas liberdades constitucionais não estaremos honrando os mortos em 11 de setembro", disse Lisa Ellis, porta-voz da faculdade. Telefonemas para o gabinete de Ashrawi, uma parlamentar pacifista, não foram respondidos. Doron, ex-assessor do ex-primeiro-ministro israelense Yitzhak Rabin, também não estava disponível para comentar o episódio.

Agencia Estado,

30 Agosto 2002 | 20h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.