Presidência sul-coreana é disputada entre Park e Moon

O filho liberal de refugiados da Coreia do Norte, Moon Jae-in, enfrenta a filha conservadora de um antigo ditador da Coreia do Sul, Park Geun-hye, nas eleições presidenciais sul-coreanas da quarta-feira. Apesar de toda as suas diferenças, eles fizeram promessas de campanhas impressionantemente similares. Uma grande razão para esse consenso pouco comum: os eleitores estão profundamente insatisfeitos com o atual presidente conservador, Lee Myung-bak, e sua visão linha dura na relação com o país rival do norte. A conservadora Park Geun-hye, que pertence ao partido do presidente, precisou se movimentar para uma política de centro em sua tentativa para se tornar a primeira mulher presidente da história da Coreia do Sul.

AE, Agência Estado

18 de dezembro de 2012 | 15h56

As pesquisas mostravam que os dois estavam praticamente empatados antes das eleições pela liderança da quarta maior economia da Ásia e um importante reduto de segurança dos Estados Unidos na região. Há uma preocupação crescente sobre a economia e uma rejeição contra o suposto envolvimento de aliados próximos a Lee em um escândalo de corrupção.

Muitos dos cidadãos que vão às urnas culpam a visão linha dura de Lee por encorajar a Coreia do Norte a conduzir testes nucleares e de mísseis, incluindo o lançamento de um foguete na semana passada. Algumas pessoas também culpam a tensão nas relações com o vizinho do norte pelos dois ataques atribuídos a Pyongyang que mataram 50 sul-coreanos em 2010.

O esforço para criar um distanciamento com Lee tem sido difícil para Park, cuja popularidade se apoia sobre a base incondicionalmente conservadora. Tanto o liberal Moon Jae-in quanto Park propõem se afastar da insistência de Lee sobre o desarmamento nuclear do programa da Coreia do Norte. Park, contudo, insiste que o vizinho comunista precisa cumprir com algumas condições de Seul, enquanto Moon quer restaurar a ajuda em larga escala a Pyongyang.

Os dois candidatos também prometem fortalecer a tradicional aliança com os EUA e os laços econômicos e comerciais com a China. Caso eleita, Park será a primeira mulher a presidir a Coreia do Sul - e também um país do leste da Ásia na era moderna.

As informações são da Associated Press.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.