Presidente aceita demissão de diretor da receita federal

O presidente dos EUA, Barack Obama, aceitou ontem o pedido de demissão de Steven Miller, diretor da receita federal americana (IRS, na sigla em inglês). A saída de Miller ocorreu após revelações de que o organismo estaria submetendo à malha fina grupos e organizações ligadas ao Tea Party, a ala radical republicana, que haviam solicitado isenção fiscal.

WASHINGTON , O Estado de S.Paulo

16 de maio de 2013 | 02h06

"É indesculpável e os americanos têm toda razão de estarem irritados com isso", disse o presidente. "Não vou tolerar esse tipo de comportamento em nenhuma agência, especialmente no IRS, em razão do enorme poder e alcance que ele tem em nossas vidas. O IRS deve aplicar a lei de maneira justa e imparcial, e seus funcionários precisam agir com a máxima integridade", completou.

O escândalo veio a público na sexta-feira. Imediatamente, o secretário de Justiça, Eric Holder, afirmou ao Congresso que o inquérito interno seria transformado em uma investigação nacional e não ficaria restrita apenas a Cincinnati, local de origem da denúncia.

"Como todos admitem, acho que esses fatos, embora não tenham sido ilegais, são escandalosos e inaceitáveis", afirmou Holder. "Mas estamos examinando para ver se alguma lei foi violada."

Alguns políticos conservadores, entre congressistas e editorialistas, já comparam o caso com o Escândalo Watergate, que custou a presidência do republicano Richard Nixon, em 1974. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.