Presidente afegão lamenta trágica morte de militares britânicos

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, lamentou profundamente neste domingo a morte de 14 militares britânicos no sul do país no pior acidente sofrido pelas Forças Armadas do Reino Unido em solo afegão.Em um comunicado divulgado neste domingo pela Presidência, Karzai afirma estar "profundamente entristecido com a infeliz perda das vidas de 14 soldados britânicos em um acidente de avião militar em Kandahar", no sul do país."O presidente, em nome do povo do Afeganistão, expressa seu mais sinceros pêsames e envia suas profundas condolências aos familiares das vítimas, às tropas britânicas e à Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan)", acrescenta a nota.O porta-voz da Presidência, Jaliq Ahmad, acrescenta na nota que, segundo os primeiros relatórios, o avião militar britânico, integrado à Força Internacional de Assistência à Segurança no Afeganistão (Isaf), subordinada à Otan, caiu no sábado na província de Kandahar devido a um problema técnico.A Isaf divulgou neste domingo um novo comunicado no qual reitera que o acidente foi causado por falhas técnicas, depois que um suposto porta-voz talibã, que se identificou como Qari Yusaf Ahmadi, assegurou em ligações a várias agências internacionais que seu grupo tinha derrubado o avião.O general Scott Lundy, porta-voz da Isaf, afirmou que é "absolutamente falso" que o avião tenha sido derrubado em um ataque inimigo. Ainda segundo ele, a aeronave caiu após ter desaparecido do radar em uma região aberta.Este é o segundo acidente aéreo sofrido pelas tropas da Isaf desde que, no fim de julho, junto com a coalizão militar liderada pelos EUA, assumiram o controle do sul do país, a região mais violenta do Afeganistão, onde se refugiam grupos armados de talibãs e membros da Al Qaeda.O acidente aconteceu no sábado às 4h (21h30 de Brasília de sexta-feira). Nele, morreram 12 membros da Real Força Aérea britânica (RAF), um da Marinha e outro do Exército, informou o Ministério da Defesa do Reino Unido.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.