AP
AP

Presidente afegão pede fim de ataques 'inaceitáveis' dos EUA

Bombardeios aéreos deixaram mais de 147 mortos nesta semana; Washington diz que número é 'exagerado'

Agências internacionais,

08 de maio de 2009 | 17h37

O presidente do Afeganistão, Hamid Karzai, pediu nesta sexta-feira, 8, aos Estados Unidos o fim dos ataques aéreos "inaceitáveis" no país, após uma série de bombardeios que deixou mais de 147 mortos nesta semana, segundo oficiais afegãos. "Nós pedimos um fim para essas operações, e o fim dos ataques aéreos", disse Karzai em entrevista à emissora CNN.  Mais cedo, militares norte-americanos disseram que as cifras de mortos nos confrontos envolvendo forças dos EUA e o Taleban são "extremamente exageradas" e que os investigadores continuam analisando os dados coletados nos locais.

 

Veja também:

linkAfegãos levam 30 corpos de civis mortos em ataque dos EUA

especialEspecial: 30 anos de violência e caos no Afeganistão 

 

Se os dados estiverem corretos, esse terá sido o pior caso de mortes de civis no Afeganistão desde a invasão de 2001 liderada pelos Estados Unidos com o objetivo de depor o regime do Taleban. "Cremos que os bombardeios aéreos não são eficazes na luta contra o terrorismo. Provocam baixas civis e não são bons nem para os EUA nem para o Afeganistão", continuou Karzai.

 

"Não podemos justificar de nenhuma maneira, nem pelo número de militantes Taleban mortos ou por qualquer outro número significativo de terroristas, a perda de civis acidentalmente ou de qualquer outra forma", acrescentou o presidente afegão. Ele lembrou ainda que em durante seu encontro com Obama nesta semana o presidente americano pediu "desculpas" pela morte de civis na província de Farah.

 

O Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) informou que seus funcionários viram mulheres e crianças entre dezenas de corpos, em duas vilas atingidas por ataques aéreos. Imagens dos bombardeios em Farah registravam moradores enterrando os mortos em mais de dez covas, enquanto outras pessoas recolhiam escombros e demoliam casas danificadas.

 

O governador de Farah, Yunus Rasooli, afirmou que os moradores de Geraani fizeram uma lista de 90 nomes, e os residentes da cidade vizinha de Ganj Abad forneceram outros 57 nomes de pessoas que estariam mortas. Os dois vilarejos foram atingidos por aviões. Funcionários norte-americanos sugeriram que pelo menos algumas das mortes foram causada por insurgentes, a quem os militares acusam de usar civis como escudos humanos quando enfrentam suas forças.  

 

A violência no Afeganistão neste ano atingiu o maior nível desde que o Taleban foi deposto, no final de 2001, apesar do crescente número de tropas internacionais enviadas à região. O Exército americano planeja um reforço de 68 mil soldados até o fim do ano.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãoEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.