Presidente afegão pede fim dos bombardeios americanos

O presidente afegão, Hamid Karzai, pediu hoje que os Estados Unidos parem de realizar bombardeios aéreos na fronteira com o Paquistão para evitar novas vítimas civis. O apelo foi feito após um funcionário do governo norte-americano ter admitido que pelo menos parte dos 147 mortos na segunda-feira em um ataque ao vilarejo afegão de Granai, na província de Farah, morreram em razão de um ataque aéreo dos EUA. "Pedimos o fim dessas operações, o fim dos ataques aéreos", disse Karzai em Washington, onde encontrou-se na quarta-feira com o presidente americano, Barack Obama.

AE-AP, Agencia Estado

08 de maio de 2009 | 19h05

Hoje, centenas de pessoas saíram às ruas para protestar contra a morte de civis diante da sede do governo da província de Farah. Os manifestantes também se reuniram em frente a uma delegacia de polícia e do escritório do governador, onde foram dispersados a tiros por militares. Três pessoas ficaram feridas.

O secretário de defesa norte-americano, Robert Gates, disse esta semana em visita a Cabul que lamenta "qualquer morte de civis afegãos inocentes, ainda que seja apenas uma". No entanto, Gates também culpou o Taleban, dizendo que "provocar as mortes de civis é parte fundamental da estratégia dos insurgentes". Embora admitam culpa por parte dos mortos, os EUA continuam dizendo que os militantes extremistas atacaram o vilarejo com granadas antes do bombardeio americano.

Tudo o que sabemos sobre:
AfeganistãobombardeioEUA

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.