Presidente alemão renuncia após comentário polêmico

Horst Köhler relacionou missões militares com a defesa de interesses econômicos.

BBC Brasil, BBC

31 Maio 2010 | 12h33

O presidente alemão, Horst Köhler, anunciou sua renúncia com efeito imediato nesta segunda-feira após receber críticas por comentários que fez sobre operações militares alemãs em outros países.

Após uma breve visita ao Afeganistão no início do mês, Köhler deu uma entrevista a uma emissora de rádio em que ligou as missões militares alemãs no exterior à defesa de interesses econômicos do país.

Ele disse que, para um país essencialmente exportador como a Alemanha, por vezes seria necessário enviar tropas "para proteger nossos interesses (...), rotas de livre comércio, por exemplo".

Ao anunciar sua renúncia, Köhler, aliado da chanceler Angela Merkel, disse lamentar que suas declarações levassem a mal-entendidos.

Popularidade

O ex-diretor-gerente do FMI, de 67 anos de idade, foi eleito no ano passado para um segundo mandato de cinco anos como presidente.

O cargo tem importância sobretudo cerimonial - o presidente alemão deve, por exemplo, assinar todas as leis antes que elas passem a vigorar.

De acordo com a Constituição alemã, o presidente da Bundesrat, a Câmara Alta do Parlamento, Jens Böhrnsen, assume o cargo interinamente, e um substituto para Köhler deve ser escolhido em 30 dias.

O presidente é eleito por um conselho especial formado por membros do Parlamento e representantes da sociedade civil.

A correspondente da BBC em Berlin Oana Lungescu disse que as declarações de Köhler ocorrem em um momento em que cresce a pressão popular contra o envolvimento alemão no Afeganistão.

Pesquisas de opinião sugerem que a popularidade do governo de Angela Merkel é a mais baixa em quatro anos, principalmente por causa da forma como a administração lidou com a crise financeira na zona do euro. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.