Presidente camaronês ordena medidas para resgatar reféns

Helicópteros militares procuram uma família francesa que foi sequestrada na terça-feira em Camarões. O presidente camaronense Paul Biya ordenou a adoção de medias rígidas de segurança e ações urgentes para libertar os reféns, uma família de sete pessoas com quatro crianças.

AE, Agência Estado

20 de fevereiro de 2013 | 11h52

O grupo foi sequestrado por homens armados no norte do país e levados pela fronteira para a Nigéria. Um comunicado ministerial diz que o governo camaronense está em contado com autoridades nigerianas e francesas.

O sequestro aconteceu no momento em que milhares de militares franceses estão envolvidos numa intervenção militar contra extremistas que tomaram o controle de grade parte do território do Mali.

Durante reunião de gabinete nesta quarta-feira, o presidente francês François Hollande chamou o sequestro de um "ato odioso" e expressou seu horror particularmente porque há o envolvimento de crianças, segundo a porta-voz presidencial.

O ministro da Defesa francês disse nesta quarta-feira que não há provas da ligação entre a operação francesa no Mali e o sequestro em Camarões. Mas, falando à emissora de televisão francesa France-2, Jean-Yves Le Drian disse que "há grupos que aderem ao mesmo fundamentalismo e tem os mesmos métodos, seja no Mali, na Somália ou na Nigéria, e querem criar uma zona sem lei" que vai do Atlântico, em toda a borda sul, do Saara até o Sudão.

O governo francês advertiu que cidadãos da França devem evitar viajar para o norte de Camarões e pediu que os que estiverem no local saiam imediatamente.

O porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da França, Philippe Lalliot, disse nesta quarta-feira que no norte de Camarões "nunca houve um incidente de segurança ligado ao terrorismo. Grupos terroristas nigerianos nunca realizaram ações nesta parte de Camarões".

A empresa francesa GDF Suez informou que os reféns são um funcionário da companhia que trabalha na capital camaronesa, Yaounde, e sua família. Meios de comunicação franceses dizem que as crianças têm entre 5 e 12 anos.

A televisão estatal camaronesa citou fontes do governo da localidade dizendo que os três adultos foram separados das crianças. A família viajava para o Parque Nacional Waza quando foi sequestrado por homens armados que estavam de motocicleta, segundo fontes paramilitares.

Comunicado do governo de Camarões, divulgado na noite de terça-feira, diz que os reféns foram sequestrados em Sabongari, sete quilômetros de Dbanga, local que faz fronteira com a Nigéria. O documento não diz se o governo camaronês está em contado com os sequestradores. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Camarõesturistassequestro

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.