Presidente da ANP pede restauração da lei e da ordem

O presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Mahmoud Abbas, pediu neste sábado, 7, aos organismos de segurança para que restabeleçam a ordem, às facções da resistência que cessem seus ataques de Gaza contra Israel e solicitou à comunidade internacional que levante o embargo ao governo.Quanto aos milicianos que costumam disparar foguetes Qassam do norte de Gaza contra o sul de Israel, Abbas os exortou a deixar de lançar "esses foguetes absurdos".O último disparo foi registrado neste sábado contra a cidade de Sderot, onde um foguete danificou o depósito de uma fábrica, mas não provocou vítimas, pois não havia trabalhadores no local.O lançamento seguiu a morte de um miliciano da Frente Democrática para a Libertação da Palestina (FDLP), Fouad Maaruf, de 22 anos, em um ataque de helicópteros da Força Aérea israelense no norte de Gaza.Abbas, que em outras ocasiões já havia criticado o disparo dos Qassam e as represálias de Israel, fez as novas declarações na cerimônia de graduação de oficiais da Guarda Presidencial, após três meses de curso de treinamento na Cidade de Gaza.O presidente também chamou os dez organismos de segurança da ANP a "restabelecer a ordem e a lei nas ruas e a pôr fim ao caos" que afeta a população.Abbas reiterou ainda seus pedidos ao Quarteto de Madri e à comunidade internacional pelo levantamento do embargo econômico imposto ao governo do Hamas, em março do ano passado. O embargo segue de pé apesar da coalizão entre os islâmicos e os nacionalistas do Fatah que criou um novo governo de união nacional.A insegurança semeada pelas milícias e grupos armados de clãs familiares será objeto de debate em uma reunião extraordinária do Gabinete Nacional - presidido pelo primeiro-ministro Ismail Haniyeh - com a intenção de encontrar uma solução.O ministro do Interior, Hani Kawasmi, apresentou a seus colegas um plano para restabelecer o império da lei em 100 dias com a cooperação de todos os organismos de segurança.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.