Argentinian Presidency / AFP
Argentinian Presidency / AFP

Por videoconferência, Bolsonaro e Fernández conversam pela primeira vez

Após intensas negociações diplomáticas, presidentes de Brasil e Argentina superam histórico recente de atritos e tentam recolocar as relações bilaterais nos trilhos; brasileiro até lamentou a morte de Maradona: ‘Um grande atleta’, disse

Luciana Rosa (Especial para o Estadão), Tânia Monteiro e Daniel Weterman, O Estado de S.Paulo

30 de novembro de 2020 | 14h11
Atualizado 30 de novembro de 2020 | 21h47

BRASÍLIA/BUENOS AIRES - Os presidentes Jair Bolsonaro, do Brasil, e Alberto Fernández, da Argentina, se falaram nesta segunda-feira, 30, pela primeira vez desde que o argentino foi eleito, em outubro do ano passado. A conversa, feita por videoconferência, foi anunciada pela Casa Rosada, em nota divulgada no domingo, e não constava na agenda do brasileiro, que tem um histórico de atritos com Fernández.

Bolsonaro falou do Palácio da Alvorada, acompanhado do chanceler, Ernesto Araújo, e do secretário de Assuntos Estratégicos, Flávio Rocha. Quem também participou da conversa, que durou cerca de 45 minutos, foi o ex-presidente José Sarney – o pretexto da ligação foi a celebração dos 35 anos do encontro histórico entre Sarney e Raúl Alfonsín, então presidente da Argentina, em Foz do Iguaçu, que marcou a integração entre os dois países. 

Bolsonaro iniciou a conversa prestando condolências pela morte de Diego Armando Maradona, no dia 25, a quem tratou como “grande atleta”.  O craque, que era próximo de figuras de esquerda, como o cubano Fidel Castro e o venezuelano Hugo Chávez, é considerado o maior ídolo do esporte argentino. 

A reunião pôs fim a um longo período de afastamento entre os dois países, iniciado com a eleição do argentino. A relação ficou estremecida por dois motivos: Bolsonaro apoiou a reeleição de Maurício Macri, derrotado nas urnas, e pela visita que Fernández fez ao ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, ainda durante a campanha. Na ocasião, o petista ainda estava preso em Curitiba e o gesto foi considerado uma afronta pelo presidente brasileiro.

Na conversa de hoje, Fernández defendeu deixar as diferenças de lado e trabalhar com o Brasil em um acordo ambiental. “Seguimos avançando em matéria de segurança e Forças Armadas, e temos de trabalhar juntos no tema ambiental, que é um assunto que nos preocupa muito. Devemos fazer um acordo de preservação”, afirmou o argentino – o meio ambiente é um ponto-chave para conseguir concretizar um tratado de livre-comércio entre o Mercosul e União Europeia. 

O pacto, que havia avançado no governo Bolsonaro, sofreu importantes derrotas em Parlamentos de países europeus e parece ter naufragado de vez depois da resposta do governo brasileiro ao desmatamento na Amazônia e no Pantanal. Recentemente, ele acusou outros países pela extração ilegal de madeira no Brasil e rejeitou o rótulo de “inimigo do meio ambiente”. 

“Seguimos avançando em matéria de segurança e Forças Armadas, e temos que trabalhar juntos no tema ambiental, que é um assunto que nos preocupa muito. Devemos fazer um acordo de preservação", afirmou Fernández na conversa, de acordo com a nota divulgada pelo governo argentino. 

Auxiliares do Palácio do Planalto afirmaram que o balanço da conversa foi positivo e, mesmo quando a questão ambiental foi abordada, o clima amistoso permaneceu. Bolsonaro costuma reagir a cobranças de outros países e, recentemente, sugeriu até mesmo recorrer a “pólvora” após o presidente eleito dos EUA, Joe Biden, sugerir retaliações caso não haja medidas efetivas de proteção à Floresta Amazônica.

O presidente brasileiro reforçou que “o Mercosul é o principal pilar de integração” regional, aproveitando para pedir a criação de “mecanismos mais ágeis e menos burocráticos” no bloco. Bolsonaro expressou ainda interesse de avançar em áreas de interesse comum, “especialmente o turismo”.

Nesta segunda-feira, Fernández falou em deixar "as diferenças do passado e encarar o futuro com as ferramentas que funcionam bem entre nós" para "potencializar todos os pontos de acordo."

Fernández também defendeu uma negociação com o Brasil na área de gás natural. A Argentina defende a construção de um gasoduto até Porto Alegre. Para o presidente da Argentina, o encontro desta segunda-feira dá ao Mercosul o impulso necessário "e é imperioso que Brasil e Argentina o façam juntos". 

 

Para Daniel Scioli, embaixador da Argentina no Brasil, a conversa foi o ponto de partida para uma nova fase da relação bilateral. “O tema principal foi deixar para trás os desencontros e olhar para o futuro, fortalecendo a integração, que seja uma integração energética, de infraestrutura, da indústria militar, do setor agroalimentar”, disse Scioli ao Estadão. “Foi uma agenda positiva e muito inspiradora.” Sobre os próximos passos, ele confirmou que “houve convites recíprocos dos presidentes para reunir-se em breve e fortalecer essa associação estratégica”. 

Para Lembrar: O nascimento de uma aliança

A relação entre Brasil e Argentina sempre foi conturbada. Na maior parte da história, os vizinhos se viram com desconfiança, uma animosidade que vinha desde o período colonial e foi acirrada durante as ditaduras militares, nos anos 60. A aproximação só ocorreu nos anos 70, com a assinatura do Acordo Tripartite, de 1979, entre Brasil, Argentina e Paraguai, que pôs fim à maior crise diplomática do pós-guerra e regulou o uso das usinas de Itaipu e Yacyretá. 

A redemocratização consolidou de vez a aproximação, com o encontro entre os presidentes José Sarney, do Brasil, e Raúl Alfonsín, da Argentina, em Foz do Iguaçu, no dia 30 de novembro de 1985. A reunião rendeu a Ata de Iguaçu, que criou uma comissão mista para promover a integração econômica e comercial entre os dois vizinhos, a base para o Mercosul. Foi para celebrar a aliança que, em 2018, se estabeleceu o Dia da Amizade Argentino-Brasileiro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.