Presidente da Chechênia procura segunda mulher

O presidente da Chechênia, Ramzan Kadyrov, revelou hoje que está em busca de uma segunda esposa. Kadyrov, de 34 anos, que governa a Chechênia com mão de ferro e impôs a lei islâmica no local, disse ao jornal Komsomolskaya Pravda que está "sempre à procura de uma noiva decente", mas que ainda não encontrou a mulher certa. "Não consigo achar uma bonita", disse ele, segundo o diário.

AE, Agência Estado

24 de fevereiro de 2011 | 18h41

Perguntado sobre como sua mulher se sente em relação à perspectiva de dividir o marido com outra mulher, o Kadyrov, que tem seis filhos, afirmou. "Veja bem, eu não sou desonesto. Então, minha mulher não se importa". Embora a poligamia seja contrária à lei russa, alguns políticos como o nacionalista e vice-presidente do Parlamento Vladimir Zhirinovsky pedem que ela seja legalizada para estimular as taxas de natalidade do país.

Kadyrov, filho de um ex-separatista checheno e clérigo muçulmano que mudou de lado para apoiar as tropas de Moscou, em 1999, já expressou seu apoio à poligamia, mas não havia declarado sua preferência pessoal. Ele também descreveu as mulheres como propriedade de seus maridos e diz que seu principal papel é ter filhos.

Kadyrov governa a Chechênia há três anos como indicado pelo Kremlin, supervisionando o renascimento da província de mais de 1 milhão de habitantes que foi seriamente afetada por duas guerras separatistas em 17 anos e ela guerra.

Perguntado sobre a repressão a mulheres que se recusam se vestir de acordo com o costume islâmico, Kadyrov disse que não impõe regras a ninguém. Mas advertiu, porém, que as mulheres devem ficar alertas se estiverem insuficientemente vestidas nas ruas da Chechênia. "Os nativos do Cáucaso são quentes", disse ele. "Então, se uma mulher está seminua, nós ficamos excitados. Você não fica?". As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Chechêniapoligamiapresidente

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.