Presidente da China fala em 'perigo' no estreito de Taiwan

Os próximos dois anos serão um períodode "grande perigo" no estreito de Taiwan, disse na quinta-feirao presidente da China, Hu Jintao, ao presidente dos EstadosUnidos, George W. Bush, mencionando a postura provocativa deTaiwan, que quer a independência. O Partido Democrático Progressista, que governa Taiwan,pretende realizar um referendo junto com as eleiçõespresidenciais, em março, para perguntar aos eleitores se a ilhadeve ou não tentar se filiar à Organização das Nações Unidas(ONU), ignorando as advertências dos aliados norte-americanos edos adversários chineses. A ONU adota desde 1971 a política de "uma China só". AChina considera Taiwan parte do território chinês e diz que vaiusar a força, se necessário, para impedir a independênciaformal da ilha. "Este ano e o próximo ano são um período de grande perigopara a situação da China", disse Hu a Bush em uma reunião emparalelo à cúpula Ásia-Pacífico, segundo um porta-voz doMinistério das Relações Exteriores da China. "Temos que fazer advertências mais duras para asautoridades de Taiwan", disse Hu, de acordo com o porta-voz LiuJianchao. Embora os EUA sejam provavelmente o maior aliado de Taiwan,comprometidos em ajudar na defesa da ilha, o país mantém cadavez mais relações econômicas e de segurança com a China, e vemalertando os taiwaneses de que eles estão provocando oschineses ao pressionar pela filiação à ONU. O vice-secretário de Estado dos EUA, John Negroponte, jádisse que o referendo será um passo para a independência epediu que o presidente de Taiwan, Chen Shui-bian, honre ostatus quo entre a ilha e a China. Bush garantiu a Hu que suaposição não mudou, disse um representante da Casa Branca. "Estamos muito preocupados com essa medida que Taiwan estátomando. Também não queremos exagerar na dimensão disso. Nãoqueremos que ninguém se sinta provocado pelas ações dostaiwaneses", disse o vice-conselheiro de segurança nacional,Jim Jeffrey. "Portanto, por enquanto vamos manter nossa posiçãoe continuar exercendo nossa influência positiva sobre ostaiwaneses para ver se eles mudam de idéia." Mas Liu disse que em todo caso vai se preparar para tomarmedidas mais drásticas. Questionado se o país iria agirmilitarmente, disse: "A China vai fazer os preparativosnecessários para isso." Taiwan é uma democracia autogovernada que conta comreconhecimento diplomático de apenas 24 países, atraídos porseu dinheiro. Os EUA desistiram de reconhecer Taiwan em 1979,quando estabeleceram relações diplomáticas com a China. (Reportagem adicional de Matt Spetalnick)

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.