Presidente da China inicia visita aos EUA em meio a tensão bilateral

Países divergem em temas como deficit comercial, direitos humanos e a questão cambial.

Alessandra Corrêa, BBC

18 de janeiro de 2011 | 20h21

Autoridades chinesas e americanas destacaram importância da visita

O presidente da China, Hu Jintao, chegou nesta terça-feira aos Estados Unidos para uma visita oficial de quatro dias que analistas afirmam ser a mais importante de um líder chinês em mais de 30 anos, desde que as relações entre os dois países foram formalizadas em 1979.

A viagem deverá ser a última de Hu aos Estados Unidos antes de deixar a Presidência da China, em 2013, e ocorre em um momento de tensão entre os dois países por conta de uma série de temas, como deficit comercial, direitos humanos e a questão cambial.

A visita também é realizada em meio à crescente influência econômica, militar e diplomática da China.

Hu foi recebido na tarde desta terça-feira em Washington pelo vice-presidente americano, Joe Biden.

À noite, participa de um jantar privado oferecido pelo presidente Barack Obama na Casa Branca.

Câmbio

Autoridades chinesas e americanas destacaram nos últimos dias a importância da visita.

"Esperamos que essa visita promova relações positivas e de cooperação entre a China e os Estados Unidos, que indiquem novas direções para as relações bilaterais na nova era e elevem a cooperação a um novo nível", disse o porta-voz do Ministério do Exterior da China, Hong Lei.

A secretária de Estado americana, Hillary Clinton, disse que os dois países se encontram em um ponto crítico, em que as escolhas que fizerem, "grandes e pequenas", irão moldar a trajetória das relações bilaterais.

Desde o ano passado a tensão entre os dois países vem crescendo.

Um dos principais pontos de atrito é a questão cambial. Os Estados Unidos acusam a China de manter sua moeda, o yuan, artificialmente desvalorizada, o que levaria a uma maior competitividade em suas exportações e também ao deficit americano na balança comercial entre os dois países.

Pequim, no entanto, rejeita as acusações. Hu já disse em ocasiões anteriores que o yuan não está desvalorizado e que a China adota um regime de câmbio flutuante controlado.

O líder chinês também já criticou a política monetária americana, ao afirmar que, ao manter a taxa de juros próxima de zero, o Federal Reserve (Fed, o Banco Central americano) estaria desvalorizando o dólar e gerando inflação em outros mercados.

Na semana passada, o secretário do Tesouro americano, Timothy Geithner, disse que os Estados Unidos vão conversar abertamente sobre suas preocupações a respeito da desvalorização do yuan frente ao dólar.

Alguns senadores americanos vêm pressionando o Congresso a penalizar a China por "manipular" sua moeda.

Divergências

Outros pontos de divergência entre os dois países no ano passado incluem o fato de Obama ter recebido o líder espiritual tibetano Dalai Lama, em uma visita criticada pela China, e o anúncio de que os Estados Unidos pretendem vender armas a Taiwan, considerada uma província rebelde pelo governo chinês.

Os Estados Unidos também criticaram publicamente a prisão do ativista político chinês Liu Xiaobo, vencedor do Prêmio Nobel da Paz.

Há ainda grande preocupação nos Estados Unidos sobre o crescente poder militar da China.

Antes da chegada de Hu, uma missão de comércio chinesa assinou acordos com empresas americanas no valor de US$ 600 milhões.

O presidente chinês também deverá assinar uma série de acordos nas áreas de comércio, energia, proteção ambiental, infraestrutura e intercâmbio cultural.

Agenda

A chegada do presidente chinês à capital americana foi marcada por protestos de ativistas contra a política chinesa no Tibete.

Na quarta-feira, Hu e Obama se reúnem no Salão Oval da Casa Branca e também devem participar de um encontro entre líderes empresariais chineses e americanos e de uma coletiva de imprensa.

Hu será recebido por Biden para um almoço no Departamento de Estado e, na noite de quarta-feira, Obama vai oferecer um Jantar de Estado em sua homenagem.

Na quinta-feira, o presidente chinês fará uma visita ao Congresso, onde se reunirá com líderes republicanos e democratas.

Além da capital americana, o líder chinês também irá visitar Chicago.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.