Presidente da Colômbia critica 'show de mídia' das Farc

As Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc) liberaram mais um refém ontem, o quarto nos últimos dias. O presidente do país, Juan Manuel Santos, inicialmente apoiou o plano dos rebeldes, mas depois criticou a iniciativa, qualificando-a como uma "farsa" e um "show de mídia" dos guerrilheiros.

AE, Agência Estado

14 de fevereiro de 2011 | 12h08

A expectativa era de que outros dois reféns fossem liberados ontem, mas o governo disse que quando os helicópteros usados para os resgates foram até as localidades onde os rebeldes disseram que os reféns estariam, não havia ninguém. O representante do governo Eduardo Pizarro criticou as guerrilhas por darem indicação "errada". Hoje, o jornal colombiano El Tiempo afirmou que, segundo a Cruz Vermelha, a entrega dos dois sequestrados, Salín Sanmiguel e Guillermo Solórzano, ocorrerá amanhã.

O Brasil participa da operação, com helicópteros e tripulação para auxiliar nos resgates. O plano de libertação dos reféns foi anunciado no início de dezembro pelas Farc. Os rebeldes afirmam que o "plano humanitário" é para libertar seis sequestrados, sem pedir nada do governo em troca.

A reação inicial do governo Santos foi positiva, dizendo que apoiaria qualquer plano para salvar vítimas da guerrilha. Mas a contínua atenção dada ao plano na imprensa local e o fato de que as Farc continuam a sequestrar novos reféns levaram Santos a criticar a iniciativa. Ele disse que espetáculos desse tipo não ocorrerão novamente e atacou a "dupla moral" dos guerrilheiros, libertando alguns reféns e capturando outros. "Nós iremos revisar essa política de permitir a libertação de reféns um por vez", disse Santos no sábado. "É uma farsa."

A primeira libertação dessa recente leva ocorreu na quarta-feira, e duas outras se deram na sexta-feira. No domingo, o policial Carlos Alberto Ocampo, de 30 anos, foi libertado pelos rebeldes menos de suas semanas após ser capturado.

Santos ficou especialmente irritado com a libertação da sexta-feira, quando uma das vítimas libertada, o vereador José Armando Acuña, de 49 anos, apareceu depois de 20 meses de cativeiro limpo, de terno e gravata e com um bigode bem aparado. "O que acontece com o vereador... vindo da selva de gravata?", disse Santos. "Está todo preparado (pelos rebeldes) para produzir um efeito. E quanto a essa conversa de ''humanitário'', bem, há pouco a dizer."

As Farc são consideradas um grupo terrorista pelos Estados Unidos e pela União Europeia e enfrentam o governo colombiano há quase meio século. Inicialmente criadas como organização marxista pelos direitos dos pobres, as Farc passaram a se envolver ativamente com o narcotráfico.

As Farc ainda mantêm mais de dez vítimas sequestradas, usadas como moeda de troca em negociações com o governo, entre elas policiais e políticos locais. Além disso, as Farc e outros grupos rebeldes colombianos podem ter mais de 100 reféns, que devem ser trocados por resgates em dinheiro. As informações são da Dow Jones.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.