AFP PHOTO / JOHN THYS
AFP PHOTO / JOHN THYS

Presidente da Comissão Europeia parabeniza premiê holandês por vitória nas eleições

Jean-Claude Juncker afirmou que resultado representa ‘uma inspiração para muitos’; Mark Rutte também recebeu cumprimentos de Angela Merkel

O Estado de S.Paulo

16 de março de 2017 | 10h42

BRUXELAS - O presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, parabenizou nesta quinta-feira, 16, o primeiro-ministro holandês, Mark Rutte, pela vitória nas eleições realizadas no dia anterior, e disse que o resultado que decepcionou eurocéticos anti-imigração representa "uma inspiração para muitos".

"O povo da Holanda votou de forma esmagadora pelos valores que a Europa defende: sociedades livres e tolerantes em uma Europa próspera", escreveu Juncker em uma carta divulgada na internet. "Vamos juntos construir uma Europa forte.”

A vitória de Rutte afastou de forma enfática a ameaça representada por Geert Wilders, o candidato anti-Islã e anti-União Europeia, num grande alívio para outros governos do bloco que enfrentam uma onda nacionalista.

Analistas políticos disseram que Rutte venceu graças a uma combinação de fatores, nem todos os quais podem se aplicar à França, onde a líder do partido de extrema-direita Frente Nacional, Marine Le Pen, deve ir ao segundo turno da votação presidencial, que será realizada em maio.

Rutte também recebeu cumprimentos da chanceler alemã, Angela Merkel, que terá um desafio difícil diante dos social-democratas no pleito de setembro. Ela perdeu parte de seu apoio para um partido anti-imigração, o Alternativa para a Alemanha (AfD), que deve conquistar vagas no Parlamento pela primeira vez.

Merkel disse a Rutte que espera "continuar nossa boa cooperação de amigos, vizinhos, europeus", segundo seu porta-voz.

Segundo colocado com uma votação expressiva, Wilders alertou Rutte que o premiê ainda não pode descartar seu Partido da Liberdade, que vem dominando o debate sobre a imigração. Ele disse que quer participar da formação de uma coalizão, embora as principais legendas tenham se recusado a trabalhar com ele.

"Éramos o terceiro maior partido da Holanda. Agora somos o segundo maior partido. Da próxima vez seremos o número 1", afirmou.

Com 97% dos votos apurados, o Partido Popular Liberal e Democrata (VVD) havia obtido 33 das 150 cadeiras do Parlamento - menos que as 41 de 2012. A legenda de Wilders ficou com 20, enquanto os Democratas Cristãos e os centristas Democratas 66 empataram em terceiro lugar, com 19 assentos cada, segundo dados fornecidos pela agência de notícias ANP. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.