Presidente da Coreia do Sul diz que corrupção no país é endêmica

Lee Myung-bak prometeu endurecer as leis que regulam a atuação de funcionários públicos.

BBC Brasil, BBC

13 de junho de 2011 | 18h21

O presidente da Coreia do Sul, Lee Myung-bak, disse nesta segunda-feira que a corrupção se tornou algo "endêmico" no país.

"Essa prática (a corrupção) é algo endêmico não apenas nas organizações que supervisionam as organizações financeiras, mas também em outros setores da sociedade, do judiciário, Receita e Defesa até os serviços civis", disse Lee em seu programa bisemanal de rádio.

"Se não eliminarmos essa prática, não vamos nos tornar um país avançado e de liderança. O público vê como algo muito problemático essa corrupção entre políticos eleitos, muitos de alto escalão."

O presidente afirmou que o governo vai endurecer as leis que regulam a atuação de funcionários públicos.

De acordo com a correspondente da BBC no país Lucy Williamson, a afirmação foi feita por causa do suposto suicídio de um ex-ministro da Agricultura, que teria ocorrido depois que ele foi questionado sobre sua relação com um escândalo financeiro.

Operações ilegais

Williamson explica que está em curso uma grande investigação sobre o escândalo do banco especializado em poupanças Busan.

As fraudes não se resumem aos funcionários do banco, mas envolvem também oficiais de alto escalão no sistema financeiro do país, incluindo alguns dos ex-assessores presidenciais.

Há acusações de que diretores do banco faziam empréstimos ilegais e usavam parte do dinheiro para subornar fiscais.

"Vamos erradicar a corrupção e as irregularidades, mesmo se isso causar dores insuportáveis. Para mim, o que está acontecendo em nossa sociedade é algo extremamente revoltante. Mas temos que enfrentar esse sofrimento em nome das futuras gerações."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
asiacoreia do sulcorrupção

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.