AP Photo / Ng Han Guan
AP Photo / Ng Han Guan

Presidente da empresa farmacêutica chinesa Sinopharm renuncia por 'motivos pessoais'

Em nota, a estatal destaca que a renúncia de Li Zhiming não deve 'chamar a atenção de acionistas e credores da companhia'

Redação, O Estado de S.Paulo

13 de janeiro de 2021 | 04h55

XANGAI - O presidente da gigante farmacêutica estatal Sinopharm, a única empresa que até agora obteve autorização condicional para comercializar sua vacina contra a covid-19 na China, renunciou por "motivos pessoais", conforme relatou a empresa à Bolsa de Valores de Hong Kong.

Em nota, a Sinopharm destaca que Li Zhiming deixa de ser presidente do conselho, mas que "ele confirmou que não tem divergências com o conselho e que não há nenhum assunto relacionado à sua renúncia que deva chamar a atenção de acionistas e credores da companhia".

“A empresa continua operando normalmente”, acrescenta o texto.

No mesmo documento, a Sinopharm anuncia a nomeação de Yu Qingming, até então CEO, como o novo presidente do conselho de administração. As ações da empresa em Hong Kong perderam hoje 1,8% de seu valor depois das 14h, horário local (3h em Brasília).

Em outra nota enviada na terça-feira à bolsa de Hong Kong, a empresa anunciou que Li Hui, CEO de uma de suas subsidiárias, a China National Medicines Corporation (CNCM), também renunciou ao cargo por "motivos pessoais", algo que, segundo sua diretoria, "não terá um efeito adverso tangível nas operações" dessa empresa.

A Sinopharm saltou para a arena internacional devido à pandemia de coronavírus, sendo uma das empresas chinesas que lidera o desenvolvimento de vacinas contra a covid-19 no país asiático. Um deles, desenvolvido com sua subsidiária Beijing Biological Products Institute, obteve autorização condicional para comercialização no último dia de 2020, um dia após ter sido anunciado que sua eficácia era de 79,3%./EFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.