Presidente da Itália dissolve Parlamento

O presidente da Itália, Giorgio Napolitano, dissolveu o Parlamento neste sábado, após a renúncia do primeiro-ministro Mario Monti, oficializada na sexta-feira. A medida abre formalmente o caminho para a realização de eleições gerais em fevereiro, mas ainda não está claro se Monti participará do pleito.

EQUIPE AE, Agência Estado

22 de dezembro de 2012 | 15h17

Napolitano assinou o decreto neste sábado, após realizar consultas com demais líderes políticos. Monti, que foi empossado 13 meses atrás para impedir que a Itália entrasse numa crise da dívida como a Grécia, renunciou ontem, depois de o ex-primeiro-ministro Silvio Berlusconi ter retirado o apoio a seu governo.

Monti deve realizar uma coletiva de imprensa no domingo, durante a qual espera-se que ele anuncie se vai ou não concorrer ao cargo de premiê.

Pequenos partidos de centro têm tentado convencer Monti a se candidatar, mas jornais italianos dizem que ele está mais inclinado a recusar a oferta. Pesquisas de opinião indicam que o Partido Democrático, de centro-esquerda, deve vencer as eleições. Uma chapa liderada por Monti roubaria votos do Partido Democrático, embora não se espera que consiga a maioria. As informações são da Associated Press.

Tudo o que sabemos sobre:
Itáliapolítica

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.