AFP PHOTO / Alberto PIZZOLI
AFP PHOTO / Alberto PIZZOLI

Presidente da Itália pede 'serenidade e respeito' após resultado de referendo

Sergio Mattarella afirmou que país deve 'enfrentar compromissos e prazos' que serão respeitados pelas instituições; Beppe Grillo, do nacionalista Movimento 5 Estrelas, diz que está pronto para governar

O Estado de S. Paulo

05 Dezembro 2016 | 16h30

ROMA - O presidente da Itália, Sergio Mattarella, pediu nesta segunda-feira, 5, "serenidade e respeito mútuo" após o resultado do referendo de domingo e o anúncio da renúncia do primeiro-ministro, Matteo Renzi.

Mattarella e Renzi se reuniram nesta segunda-feira no Palácio do Quirinal e posteriormente o presidente italiano emitiu um comunicado no qual destaca que a alta afluência no referendo é "o testemunho de uma democracia sólida, de um país apaixonado, capaz de participação ativa".

O presidente pediu que "o clima político, mesmo com a dialética necessária, seja marcado pela serenidade e o respeito mútuo". "A Itália é um grande país com muitas energias positivas em seu interior", disse Mattarelli. "Temos que enfrentar compromissos e prazos os quais as instituições terão que garantir que respeitarão, garantindo respostas à altura dos problemas do momento."

Renzi, que anunciou sua renúncia após a derrota no referendo de reforma constitucional, indicou que depois do Conselho de Ministros de desta segunda-feira colocará seu cargo à disposição. 

Grillo. O partido de oposição Movimento 5 Estrelas (M5E), que defende a saída da Itália da zona do euro, declarou nesta segunda estar pronto para governar o país depois da renúncia de Renzi. "A democracia venceu", proclamou o fundador do movimento, Beppe Grillo, em seu blog.

Grillo pediu eleições imediatas e disse que, a partir da semana que vem, seu partido começará a elaborar uma plataforma de políticas e um gabinete para que os italianos tenham todas as informações que precisam para levar sua legenda ao poder.

Essa perspectiva desperta preocupação entre os políticos europeus tradicionais e os mercados financeiros, que temem a inexperiência do partido e sua proposta de realizar um referendo sobre a manutenção do euro na Itália.

"Os maiores derrotado no referendo são a propaganda e as mentiras do regime", disse Grillo. "Os maiores vencedores são as pessoas que levantaram a cabeça e compareceram em massa para votar". / EFE e REUTERS

Mais conteúdo sobre:
Itália

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.